V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Fight like a girl destaca técnicas de autodefesa

Estudantes de Medicina da Unit promovem a primeira edição local do Fight like a girl e despertam o interesse de jovens pela autodefesa

às 19h22
A orientação  sobre como se defender
A orientação sobre como se defender
Acadêmicas promotoras do evento
Compartilhe:

Não apenas pela constatação dos índices sobre o aumento da violência contra a mulher, mas também porque o gênero está competindo em pé de igualdade com os homens nos diversos setores da sociedade se faz cada vez mais necessário a essas mulheres conhecimento de técnicas específicas voltadas para a defesa pessoal.

Foi com esse propósito que cinco estudantes do curso de Medicina da Unit se reuniram e promoveram na manhã do sábado, 4, numa das quadras de esportes do Complexo Desportivo da Instituição o evento Fight like a gril. A ideia é propagar em nosso estado o que já se desenvolve em outros estados e países pela International Federation of Medical Students’ Association (IFMSA), federação internacional composta por associações de estudantes de Medicina. A ação do sábado contou com a participação da professora de Muay Thay Maria Mayara da Silva Brito.

“O intuito é oferecer as essas mulheres orientações e técnicas de fortalecimento mental, bem como ensinar métodos de autodefesa com a finalidade de tornar mais eficaz o embate contra agressores em situações de perigo”, salienta a estudante Giovanna Freitas Munaretto. A acadêmica acredita que o avanço do feminismo fez com que a mulher passasse a ter consciência de que precisava também se tornar independente do homem no quesito defesa pessoal. “Aprendendo técnicas de autodefesa você passa a ser sua própria heroína”, complementa.

Concludente de Educação Física na Unit, Mayara revela que tem muitas alunas a partir dos 6 anos de idade até à melhor idade. “As pessoas praticam atividade física por proporcionar o bem-estar, e no caso do Muay Thay, pela importância em desenvolver a técnica de defesa pessoal”.  Apesar de consciente da técnica, ela opina que o mais indicado para um caso de ataque é a pessoa não reagir. Mas, se necessário, a vítima deve procurar se esquivar e só usar das técnicas da luta se realmente não houver alternativa.

Compartilhe: