V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Paimi promove confraternização

Com a chegada da idade é possível aprender, se realizar, vivenciar e se socializar, diz professora de Enfermagem durante a festa dos membros do grupo de idosas da Unit

às 18h19
Segundo ela, o enfermeiro entende o processo do envelhecimento tendo a qualidade de vida como uma premissa, e diante das necessidades humanas a socialização representa fator preponderante. 
Momento da troca de presentes
Momento da troca de presentes
O carinho na decoração da mesa natalina
Compartilhe:

 

Motivada pelo espírito natalino e pelo desejo de encerrar as atividades do período letivo de forma festiva, a coordenação do Programa de Assistência Integral à Melhor Idade – Paimi –promoveu na tarde dessa segunda-feira, 11, um encontro das 60 senhoras que integram o grupo com professores e acadêmicos, especialmente aqueles que desenvolvem projetos específicos de valorização e de inserção das jovens da terceira idade (como são carinhosamente chamadas) no cotidiano da universidade.

O encontro ocorrido na sala 6 do bloco C, no Campus Farolândia, onde está instalada a sede do programa criado há cerca de 20, registrou uma programação regada à troca de presentes e degustação de muitos quitutes.

“Entendemos a importância do Paimi na vida dessas pessoas, porque ele gera autoestima. Existe um processo de aprendizado contínuo e nisso elas se empoderam e percebem que a velhice não representa a reta final”, argumenta a professora do curso de Enfermagem Ângela Barros. A docente, juntamente com suas alunas, desenvolve projetos específicos que objetivam oportunizar uma melhor qualidade de vida para as senhoras da terceira idade. “A partir do momento que eu me sinto ativa, socialmente presente, eu cuido melhor da minha saúde e aí as minhas outras necessidades acabam sendo atendidas”, complementa a professora Ângela.

“É reconfortante perceber que, apesar de todas as dificuldades vivenciadas ao longo do ano, contamos com a colaboração de tantas outras pessoas que desenvolvem conosco projetos voltados a valorizar a vivência dessas 60 mulheres que integram o Paimi”, pondera a coordenadora, professora Zulnara Mota.

Compartilhe: