V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Unit, o negro e sua resistência ao poder colonizador

O papel da mulher guerreira na luta contra o preconceito é tema abordado durante palestra na Unit

às 23h09
A doutoranda fala sobre sua dissertação
A doutoranda fala sobre sua dissertação
Alunos e convidados prestigiam a palestra e o lançamento
A obra lançada
Compartilhe:

Docentes e acadêmicos de Serviço Social participaram na noite desta quinta-feira, 5, no auditório da Reitoria da Unit no Campus Farolândia, de uma programação elaborada pela coordenação do curso, em parceria com a Diretoria de Extensão. Em pauta, a conferência da professora Mariana Braks intitulada “Nzinga Mbandi e as guerras de resistência em Angola. Século XVII”.   O tema, homônimo do livro lançado durante o encontro com a comunidade universitária pela doutoranda em História Social pela USP traz evidencia sua pesquisa sobre a história de Angola, com foco nos processos de resistência africana ao colonialismo no século XVII. Pesquisa também as culturas africanas na diáspora, com atenção especial para as noções de memória, ancestralidade e identidade étnica envolvidas nas culturas afro-brasileiras.

Durante a apresentação da trajetória política e militar da rainha Nzinga Mbandi a estudiosa mineira, graduada em História deixou evidente que o estímulo para desenvolver sua dissertação sobre a angolana foi além da sua própria existência. “A força feminina demonstrada ao enfrentar as dificuldades revela através da Nzinga uma estória exemplar de resistência dos povos africanos contra o colonialismo europeu”, salienta a conferencista. Ela lembra que essa estória motiva nos dias de hoje os afrodescendentes a se identificarem com suas origens angolanas considerando que a rainha Nzinga a exemplo de muitas outras foram guerreiras que venceram os portugueses contradizendo o que a história oficial tentou mostrar.

“O povo brasileiro se identifica com a história angolana devido as nossas raízes e em percebo que Sergipe também possui muitos elementos africanos na cultura popular”, lembra a conferencista ao justificar sua fala para a academia.

Na visão da professora do curso de Serviço Social e coordenadora do Núcleo de Apoio Psicossocial – Naps, Kátia Maria Araújo Souza, a presença Mariana Braks na academia antecipa as comemorações do Dia da Consciência Negra que é o dia 20 de novembro e sai do lugar comum de uma programação cujas edições anteriores se discutiam questões direcionadas apenas a opressão do povo negro.

“Essa é uma oportunidade de desmistificar o tema que sempre colocou o negro na história do Brasil de forma preconceituosa, discriminatória e diminutiva. Em segundo lugar, apresentar para a academia a história de uma rainha guerreira que luta contra os preconceitos e a colonização”, salienta a docente fazendo ver que ao longo da história as mulheres sempre tiveram papel importante dentro das sociedades.

Fotos no Flickr – Marcelo Freitas

Compartilhe: