Conheça os líderes das empresas mais influentes do mundo, segundo a Time

Conheça os líderes das empresas mais influentes do mundo, segundo a Time

15 de maio de 2018 Off Por Denise Gomes

Pessoas poderosas, inspiradoras e transformadoras. Entre as cem personalidades escolhidas pela revista Time, estão políticos, advogados, artistas e presidentes de empresas. Cada um teve um impacto relevante em sua área de atuação para entrar na lista.

Há lideranças de negócios bem conhecidas como Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo, e Elon Musk, o visionário dono da Tesla e SpaceX. Mas, também há membros mais discretos, como Adam Neumann, fundador da WeWork, e Masayoshi Son, presidente do Softbank.

 

Confira abaixo alguns dos presidentes de empresas e líderes de negócios mais influentes do mundo, de acordo com a Time:

Pony Ma
O bilionário Pony Ma é co-fundador e presidente do conselho de administração da Tencent, uma das maiores empresas de comunicações e mídia da China. Ela conecta quase 3 bilhões de pessoas e é dona do aplicativo de mensagens WeChat, usado para conversar, consumir conteúdo e até comprar e vender produtos.

Elon Musk
Criar carros elétricos esportivos e acessíveis e colonizar o planeta Marte estão entre os planos de Elon Musk para suas empresas. Depois de fundar e vender o PayPal, ele criou a Tesla, montadora de carros elétricos, a SpaceX, fabricante de foguetes, Solar City, de painéis de energia solar e The Boring Company (A Empresa Chata), de construção de túneis urbanos. Ele foi escolhido para a lista da Time este ano por fazer as pessoas sonharem com viagens espaciais.

Adam Neumann
Imaginar uma nova forma de trabalhar foi o que trouxe o empreendedor americano e israelita Adam Neumann à lista da Time. Ele criou a WeWork, companhia de espaços colaborativos que já atraiu 240 mil pessoas em 21 países. Há ambientes colaborativos de trabalho e moradia, além de aceleradoras de startups.

Masayoshi Son
Fundador e presidente do Softbank, Masayoshi Son é um empresário japonês. O conglomerado multinacional tem investimentos em diversos setores, como telecomunicações, finanças, internet, mídia e tecnologia. Entre as empresas investidas, estão a Uber, a WeWork (que também fez seu CEO entrar na lista da Time), a Didi Chuxing (dona da brasileira 99), entre outras.

Jeff Bezos
Não é surpresa que o homem mais rico do mundo seja também um dos mais influentes. Jeff Bezos, que abriu a Amazon em sua garagem para revender livros, criou uma revolução no varejo do mundo todo.
A companhia, líder no comércio eletrônico, adquiriu ano passado a Whole Foods, rede de supermercados naturais nos Estados Unidos e abriu seu primeiro mercado sem caixa. Mas sua atuação não se restringe ao comércio: também atua na produção e divulgação de conteúdo, desenvolve a assistente pessoal Alexa e até tem um pé na área de saúde. A AWS, plataforma de computação em nuvem, é um de seus negócios mais promissores.

Kenneth C. Frazier
O avô do afro-americano Kenneth C. Frazier nasceu na escravidão, no século 19. Hoje, o empresário luta por direitos humanos, ao mesmo tempo em que lidera a farmacêutica Merck, conhecida como Merck Sharp & Dohme (MSD) fora dos Estados Unidos. Chamado para fazer parte do conselho do presidente americano Donald Trump, ele deixou o cargo dizendo que “como CEO da Merck e por questões de consciência pessoal, sinto responsabilidade de me posicionar contra intolerância e extremismo”.

Bhavish Aggarwal
Empreendedor indiano, ele quer competir com Uber e Cabify. Em seu país natal, Bhavish Aggarwal abriu a Ola Cabs, empresa de compartilhamento de transporte que já é uma das maiores do mundo. Presente em 100 cidades da Índia, ano passado o serviço desembarcou na Austrália.

Satya Nadella
Quando assumiu como CEO da Microsoft, em 2014, a missão de Satya Nadella era recuperar o pioneirismo e inovação na companhia, que havia perdido espaço para concorrentes depois de uma resposta negativa ao lançamento do Windows 8. Com uma nova cultura, a companhia se voltou para serviços, computação em nuvem com a plataforma Azure, internet das coisas e adquiriu a plataforma LinkedIn.

 

*Com informações da revista Exame.