V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Unit doa material impresso sobre coleta seletiva

40 mil panfletos e 10 mil marcadores de livros serão distribuídos nem 20 municípios sergipanos

às 13h53
A Universidade Tiradentes doou 40 mil panfletos e 10 mil marcadores de página para o Consórcio Público do Agreste Central – CPAC Sergipe. A entrega aconteceu nessa terça-feira, 12, na Coordenação de Extensão, Campus Aracaju Farolândia. Elaborado e impresso pelo programa Conduta Consciente da Unit, o material traz orientações sobre coleta seletiva de lixo e será distribuído nos 20 municípios que compõem o entorno da Bacia do Rio Sergipe.
Caio Marcelo e Luciana Rodrigues
Caio Marcelo e Luciana Rodrigues
Compartilhe:

“O Brasil está passando por uma transformação por conta da implementação da política nacional de resíduos sólidos, com o fim dos lixões e a criação de aterros sanitários. O Consórcio Agreste precisa realizar um trabalho de sensibilização e conscientização ambiental nos municípios e a Unit se soma a esta iniciativa, explicando à população qual é a importância da coleta seletiva e o que pode ou não ser coletado”, explica a coordenadora do programa Conduta Consciente, professora Luciana Rodrigues.

“Queremos diminuir os resíduos até que os lixões sejam erradicados. Vamos repassar este material impresso aos municípios para que procedam a educação ambiental tanto nas escolas, quanto nas residências das pessoas”, afirma o superintendente do CPAC Sergipe, Caio Marcelo Valença Teles de Menezes.

O CPAC

O Consórcio Público do Agreste Central surgiu há quatro anos. É uma autarquia intermunicipal criada com base na Lei 12.305, de 2010, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos, dispondo sobre seus princípios, objetivos e instrumentos, bem como sobre as diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, incluídos os perigosos, às responsabilidades dos geradores e do poder público e aos instrumentos econômicos aplicáveis.

Ao ser constituído o consórcio público para gestão dos resíduos sólidos, desde que devidamente expresso no protocolo de intenções, os municípios consorciados podem atribuir ao consórcio as atividades de regular, fiscalizar, planejar e prestar diretamente (o que exigirá a celebração de contratos de programa com cada município) ou delegar a prestação dos serviços a terceiros.

Compartilhe: