V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Fibromialgia: especialista explica relação da doença com fatores psicológicos

Segundo especialista, quimicamente, o cérebro ‘entende’ o processo de dor de forma muito parecida de como relaciona a ansiedade e depressão.

às 21h36
Compartilhe:

“A fibromialgia tanto pode ser causa como consequência de distúrbios de humor e sono”.

É o que afirma o reumatologista Denison Santos Silva, professor do curso de Medicina da Universidade Tiradentes. Para o especialista, quimicamente, o cérebro relaciona o processo de dor de forma muito parecida de como entende a ansiedade e depressão.

“As mesmas substâncias químicas que se encontram desequilibradas na depressão e ansiedade como serotonina, dopamina, noradrenalina também estão em desarmonia na fibromialgia. Portanto, além de ser comum a associação das patologias, uma acaba potencializando as outras”.

Os sintomas da fibromialgia são clássicos como dores musculares generalizadas e nas articulações, sendo considerada a segunda condição mais comum que afeta ossos e músculos, atrás apenas da artrite. Para o especialista, um paciente que sofre de dor crônica possui maior tendência a ser ansioso ou deprimido ou dormir mal.

“O paciente com fibromialgia em geral tem sono de pior qualidade, chamado sono não restaurador. Com isso, acorda a maior parte dos dias cansado, tem problemas de concentração e memória, tem sintomas chamados disautonômicos como dispepsia funcional (gastrite nervosa), enxaqueca, síndrome do intestino irritável, síndrome da bexiga hiperativa”.

Para o médico, a fadiga também é um sintoma muito prevalente quer seja da depressão como na fibromialgia.

“Isso faz com que o paciente na maioria das vezes seja rotulado como pouco produtivo ou até limitado nas suas atividades diárias”.

 Pandemia e fibromialgia

 Segundo o especialista, os sintomas podem piorar em situações de extrema pressão e estresse.

“A pandemia e os medos ocasionados por ela como, por exemplo, o medo de morrer, de perder um ente querido, de adoecer e ficar sequelado, são importantes gatilhos emocionais. Um cérebro doente emocionalmente trará expressões físicas no corpo e uma das mais importantes é a dor. Além disso, pacientes que se contaminam com Covid-19, em geral, sofrem depois com fadiga e dores osteomusculares pela própria doença quanto mais em um contexto de dor crônica”.

Compartilhe: