V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Professor da Unit analisa o mercado de produtos digitais

Os produtos digitais são consumidos por meio de telas e a sua criação requer um profissional qualificado e atento às necessidades do usuário.

às 11h56
Image of young serious woman designer sitting indoors at night using graphics tablet and computer. Looking aside while listening music with earphones.
Image of young serious woman designer sitting indoors at night using graphics tablet and computer. Looking aside while listening music with earphones.
Compartilhe:

Desde o advento da internet, o consumo de produtos digitais têm aumentado. Com isso, o mercado do Design Gráfico também está movimentado com oportunidades e poucos profissionais capacitados para a atuação. Para quem ainda não pensou em seguir a área, especialistas indicam o que é preciso para se inserir nesse mercado.

De acordo com o professor de design gráfico da Universidade Tiradentes (Unit), Igor Libertador, os produtos digitais também são conhecidos como infoprodutos. “Os produtos digitais são materiais e conteúdos criados, distribuídos e consumidos de maneira digital, ou seja, por meio de smartphones, tablets, televisão… são feitos especificamente para serem consumidos por meio de uma tela digital”, explica.

A área não é tão nova quanto se possa imaginar, mas ocorreu uma expansão nos últimos anos. “A internet chegou no Brasil em 1995 e vem crescendo exponencialmente. Com a pandemia, houve um crescimento muito grande da necessidade de produtos digitais. Então, grandes startups e empresas que antes estavam trabalhando presencialmente tiveram que migrar para o meio digital e com isso houve uma necessidade de profissionais capacitados para desenvolver produtos que atendessem a demanda naquele contexto”, acrescenta.

Um dos elementos mais importantes do consumo de produtos digitais é a interação com o usuário. “Para isso, é preciso uma interface digital que permita essa interação. Então, não é somente desenvolvimento de um produto final, mas também a interação do meio”, ressalta o professor.

Atualmente, a maioria das empresas não exige curso superior ou especialização para atuar na área. No entanto, o professor orienta que fazer uma graduação e se qualificar. “Ser formado e ter alguma especialização na área é um diferencial e assim, o potencial de entrar no mercado é grande”, afirma.

“Para o design gráfico, o mercado está muito bom. Há muitas vagas disponíveis no mercado para profissionais que dominam essa área. Tanto que está havendo uma migração, uma recolocação de profissionais de outras áreas para a criação de interfaces digitais”, disse Libertador.

Segundo o professor, esse mercado requer do profissional habilidades e competências específicas. “Primeiramente, o perfil desse profissional é que ele já seja digital, grande consumidor desses produtos para que entenda quais são as necessidades. Outra coisa é entender metodologias que estão vinculadas aos projetos de desenvolvimento de produtos digitais, como ergonomia; resiliência, se renovando a cada momento; persistência, capacidade de comunicação, além das hard skills, que diz respeitos a capacidade técnica, domínio de determinados softwares”, conclui.

 

Leia também: O que é metaverso?

Compartilhe: