V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Vocação esportiva é tema de estudo de pós-graduando da Unit


às 12h34
Marca registrada do método avaliativo denominado EpiGen.
Marca registrada do método avaliativo denominado EpiGen.
Marca registrada do aplicativo de Orientação da Vocação Esportiva (VocSports)
Logomarca do software
Compartilhe:

Durante dois anos, o estudante do Programa de Pós-Graduação em Saúde e Ambiente da Universidade Tiradentes (PSA/Unit), Michael Douglas Celestino Bispo desenvolveu um protocolo de orientação para vocação esportiva com o intuito de direcionar as melhores práticas aos indivíduos. A partir de parâmetros de base científica, ele analisou uma ferramenta e a montagem de um instrumento por prospecção. 

Desde 2015, durante seu mestrado e doutorado, ele tem trabalhado o esporte de forma peculiar. A partir de vários projetos, um deles aprovado pelo Ministério do Esporte, que forneceu recursos para a compra de equipamentos, ampliou ainda mais os estudos. Com equipamentos e tecnologia avançada, o Laboratório de Biociências da Motricidade Humana (Labimh/Unit) passou a ser o centro de todo o trabalho. 

“Tivemos muito cuidado para que desde o início essa tecnologia fosse pautada no que chamamos de critérios de autenticidade científica. Basicamente, eles atendem a quatro demandas que são a validade, a fidedignidade, a objetividade e a reprodutibilidade. Primeiro, tivemos o problema do grande índice de obesidade, de sedentarismo, de falta de tempo e de aderência. Então, precisávamos formular uma ferramenta que contribuísse para a sociedade de maneira geral, no sentido de criar um vínculo de aderência à prática do exercício físico ou a prática esportiva”, explica Michael.

Sob a orientação do professor Dr. Estélio Henrique Martin Dantas, os estudos culminaram no desenvolvimento do aplicativo de Orientação da Vocação Esportiva (VocSports) e do método avaliativo denominado EpiGen, e já gerou duas patentes concedidas pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial – INPI. “A pesquisa teve o apoio do Ministério da Cidadania e do Comitê Olímpico Brasileiro, justamente por sua relevância ao propor uma metodologia cientificamente  suportada, que permitisse orientar a vocação esportiva das crianças brasileiras de forma simples e sem exigir muitos equipamentos ou instalações. A patente é o fruto desses anos de estudo e dedicação”, diz.

“A ciência já demonstrou que a aderência a um programa de exercícios físicos, depende em grande parte do sucesso e, consequente gratificação, que a pessoa consegue na prática. Realizar um esporte para o qual se tenha predisposição é um fator crucial para o sucesso na prática do mesmo e, consequentemente, para a permanência na modalidade esportiva. Encaminhar as crianças para as modalidades esportivas mais adequadas às suas potencialidades é um fator determinante para termos adultos saudáveis e praticantes de exercícios físicos durante toda a sua vida”, afirma Dantas.

 

Leia também: Aplicativo para avaliação do condicionamento físico em idosos conquista patente

Compartilhe: