V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Aumentam a oferta e a demanda por atendimento psicológico

Mais serviços estão disponíveis ao público, seja gratuitamente, pelo SUS, ou através de serviços com tarifa social

às 18h29
Mais de 29,33% dos entrevistados pelo Ministério da Saúde afirmaram ter procurado atendimento psicológico por questões de saúde mental (Unsplash)
Mais de 29,33% dos entrevistados pelo Ministério da Saúde afirmaram ter procurado atendimento psicológico por questões de saúde mental (Unsplash)
Compartilhe:

Muito tem se falado nos últimos tempos sobre a importância de cuidarmos da saúde mental nos mesmos moldes dos cuidados com a saúde corpórea. Com maior informação e rompimento de velhos tabus, cresce o interesse de muitas pessoas em ter seu primeiro atendimento psicológico, por exemplo. Para quem não tem plano de saúde, nem sempre é simples ter acesso a ele.

Uma pesquisa inédita do Ministério da Saúde sobre a saúde mental da população, divulgada no final de 2020, revelou que 29,33% dos brasileiros entrevistados procuraram ajuda profissional durante a pandemia de Covid 19, por questões relacionadas à saúde mental, sendo 20% em serviços particulares. Outros 34,2% informaram que não procuraram ajuda, mas gostariam de ter apoio psicológico principalmente para lidar com a ansiedade (78%) e o estresse (51,9%). O questionário online foi realizado entre os dias 22 de agosto e 6 de outubro do ano passado. 

Os dados parecem mostrar a maior consciência da população quanto à terapia ser uma fonte importante de autoconhecimento, além de auxílio para problemas mentais. Com essa maior popularização, é importante também ter cuidado ao buscar um profissional e sempre checar seu registro junto ao Conselho Federal de Psicologia (CFP).

Serviços acessíveis

Um atendimento psicológico ou psiquiátrico de qualidade normalmente é pouco acessível, mas várias iniciativas tentam mudar esta situação, oferecendo assistência gratuita. 

O Sistema Único de Saúde (SUS), que é o serviço público de saúde do Brasil, já disponibiliza atendimentos psicológicos há muitos anos, por meio dos Centros de Atenção Psicossocial (Caps), mas ainda existe um certo estigma e nem todos que desejam buscam o auxílio necessário nestas unidades. Além disso, o Ministério da Saúde disponibiliza na internet um mapa da Rede de Atenção Psicossocial (Raps) em todo o país, que ajuda a localizar os serviços existentes em cada cidade. Mas não é o único meio possível de ter acesso a esse tipo de atendimento. 

Outro caminho é por meio da extensão universitária, um braço da academia que se aproxima da comunidade oferecendo serviços gratuitos ou com tarifa social. É o caso das clínicas-escolas que funcionam junto aos cursos universitários correspondentes como, por exemplo, o Centro de Apoio Psicossocial que funciona na Clínica de Psicologia da Universidade Tiradentes (Unit Sergipe). Desde 2001, a unidade presta serviços à população com atendimentos psicoterápicos semanais. 

Online e Apps

Com o aumento da procura por profissionais de saúde mental, aplicativos e plataformas que oferecem terapia e serviços de apoio psicológico tiveram um crescimento de mais de 200% nos atendimentos registrados. Tanto os profissionais passaram a atender desta forma, quanto as pessoas passaram a utilizar esta ferramenta. 

A variedade existente é grande, mas novamente vale o cuidado de verificar se o profissional, seja ele psicólogo ou psiquiatra, tem autorização para atender de forma online e se a plataforma é segura e criptografada. Alguns dos aplicativos oferecem um sistema híbrido, com parte de seus conteúdos gratuitos, e também opção de assinaturas pagas. Muitos deles oferecem lista de profissionais para o atendimento, além de conteúdos informativos e trilhas de autoconhecimento, além da terapia guiada. 

Um dos projetos lançados na pandemia foi o TelePsi, que oferece teleconsulta psicológica e psiquiátrica para lidar com estresse, ansiedade, depressão e irritabilidade. Ele é voltado para os profissionais de saúde que estão na linha de frente no enfrentamento à Covid-19. Disponibilizado para todo o país, o projeto é uma parceria do Ministério da Saúde com o Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Para ter acesso, basta se cadastrar. Há ainda outras iniciativas independentes com valores de atendimento mais baixos, como a PsiSocial e o aplicativo ViBe Saúde, ambas formadas por especialistas na área. 

Asscom | Grupo Tiradentes

Compartilhe: