V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Calouros são convidados a repensar a educação


às 18h54
Compartilhe:
Professor Marcos Sobral

Professor Marcos Sobral

Com o tema diversidade em pauta, palestrante de aula inaugural traz à discussão um repensar sobre a forma de ensino

 

A coordenação do curso de Pedagogia reuniu na noite dessa quinta-feira, no Auditório Geraldo Chagas, no Campus Centro, os alunos calouros com o objetivo de recepcioná-los e de mostrar a esses acadêmicos que recém-ingressaram na instituição o que ela tem a oferecer durante a trajetória universitária. O objetivo, segundo afirma a professora e coordenadora do curso Vanda Salmeron é estimular a esses novatos a fim que possam aproveitar intensamente os ensinamentos da academia tornando-se assim profissionais habilitados ao mercado de trabalho.

Na oportunidade, foram convidados calouros das demais licenciaturas oferecidas no Campus Aracaju Centro a assistirem uma palestra proferida pelo professor Marcos Paulo da UFAl, que na ocasião abordou o tema Educação e Direitos Humanos, Reflexões pontuais sobre educação, gênero e diversidade.

Esse acolhimento aos alunos é fundamental porque é uma forma também de homenageá-los, lembra a professora Vanda que, ao falar sobre o palestrante, disse que o mesmo revela com sua abordagem a importância da academia e do acadêmico abrir espaço para discutir um tema cada vez mais pertinente como é o caso da diversidade e a questão de gênero.

Na opinião do palestrante, professor Marcos, a intensão da abordagem é trazer à tona reflexões pontuais quando o assunto é educação, especialmente em se tratando da diversidade vivenciada por atores sociais que ao longo dos últimos 513 anos por algum motivo estiveram exclusos da escola.

Alunos no início do curso

Alunos no início do curso

‘É preciso fomentar junto a esse público que serão futuros educadores uma reflexão sobre o papel que eles têm na discriminação de uma outra cultura e prática social para entender que essa escola que sempre foi vista de um determinado modo e para um determinado público, precisa repensar o acesso desses sujeitos com corpos, identidades e experiências de necessidades diferenciadas”, afirma o palestrante, dizendo que somente desta forma será possível desenvolver um trabalho que contemple dentro da lógica da exclusão, o respeito, a solidariedade e a tolerância.

Compartilhe: