V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Como a pandemia ajudou a ressignificar os lares brasileiros

Professora de Arquitetura da Unit dá dicas para mudanças nos lares e aproveitar os ambientes para trabalho, descanso e lazer.

às 11h22
Imagem: Freepik
Imagem: Freepik
A professora do curso de Arquitetura da Universidade Tiradentes (Unit), Millena Moreira Fontes.
Compartilhe:

A pandemia de covid-19 afetou a rotina das pessoas no mundo inteiro. Com as restrições impostas no início da crise, o trabalho precisou ser levado para dentro de casa. Essa foi uma situação nova para diversas pessoas e foi preciso adaptar os espaços para transformar os lares em ambientes de trabalho, descanso e lazer.

Para a professora do curso de Arquitetura da Universidade Tiradentes (Unit), Millena Moreira Fontes, a moradia passou a ser um local em que se passava mais tempo do que antes. “Nossas residências deixaram de ser um espaço de baixa permanência diária. A casa virou local de trabalho, escritório, ateliê, refúgio, descanso, lazer, academia, estudo. Passou a ter que atender a diversas demandas diferentes, e nós tivemos que ressignificar esse espaço em nome, principalmente, da nossa saúde mental e bem-estar”, disse.

Nesse período, teve gente que mudou de endereço, redecorou e/ou reformou a casa ou até mesmo comprou um novo imóvel. Isso mostrou que o lugar onde se mora não deve ser tratado como passageiro, mas sim como o reflexo de um estilo de vida e do futuro que se deseja construir. A arquitetura foi uma grande aliada nessa ressignificação.

“É nesse ponto que entra o profissional da arquitetura, para poder organizar um espaço saudável e funcional. O nosso lar também passou a nos surpreender, por exemplo, ajudou a descobrir um hobby novo, como cozinhar. A alimentação caseira e a descoberta de novos sabores como forma de recompensa por um dia cheio no home office. Outro ambiente interessante é a varanda, visto que 2020 foi um ano praticamente vivido da janela e das vistas de nossas varandas”, acrescentou a professora.

Reorganização

Millena dá algumas dicas para reorganizar os espaços, assim o cérebro se adapta melhor a uma nova rotina ou atividade. “Primeiro, pense no tema. É estudo? Trabalho? Atividade física? Faça uma lista de mobiliários essenciais para atender às suas necessidades. Depois, acrescente objetos que imprimam a sua personalidade e transforme esse espaço”, indicou.

Ambientes de trabalho

Em um cômodo que será utilizado para trabalho, é importante utilizar itens de escritório e, também, imprimir personalidade, criatividade e afetividade, tornando-o aconchegante. “Separe mesa, cadeira, tomada, luz, computador, telefone, mural de avisos, coloque plantas, fotos do seu pet ou família, coloque obras de arte, cafeteira e água”, destacou.

É importante que o cômodo preparado para essa função seja utilizado apenas durante o expediente. “Ao final do turno, deixe todos os materiais onde estavam, saia do cômodo e deixe a porta fechada. Não esqueça de deixar o telefone do trabalho também no cômodo. Se o seu telefone pessoal é o mesmo do corporativo, pense bem sobre a opção de comprar um novo chip”, recomendou a professora.

Ambientes de estudo

Para os ambientes de estudo, também há orientações. Uma das mais importantes é o tipo de iluminação utilizada. Segundo ela, a luz branca é ideal.

“Procure um cômodo, espaço ou horário no qual tenha silêncio em casa. Ter uma cadeira ergonômica e acolchoada, mesa, tomada elétrica, computador ou outro aparelho tecnológico, luz adequada (branca, a luz branca nos provoca atenção e auxilia no trabalho). O importante é o canto ser seu e você só acessá-lo nos horários que estabeleceu para estudo. A ideia é que se faça a divisão nítida dos espaços”, explicou.

Faça você mesmo

Algumas adaptações podem ser feitas pela própria pessoa. “A pandemia também nos trouxe a aproximação do como se faz as coisas ou o conhecido DIY, que é o do it yourself, literalmente ‘faça você mesmo’. Algumas mudanças, como pintura de paredes, troca de luminárias, cortinas e redecoração, podem ser feitas com a consultoria da internet ou, se possível e recomendado, de forma on-line com um profissional da arquitetura”, sugeriu Millena.

Antes de pensar em qualquer mudança, procure um arquiteto para ajudar, principalmente com a ergonomia dos móveis. Se não tiver cuidado, uma posição errada em frente ao computador, por exemplo, pode sobrecarregar os músculos e articulações, causando dores ou problemas de saúde mais graves.

 

Leia também: Arquitetura minimalista: estilo simples, sofisticado e consciente

Compartilhe: