V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Conscientização no Parque da Sementeira

Alunos de Direito orientaram sobre PEC das Domésticas e sobre maus tratos contra animais

às 09h25
Cerca de 40 alunos participaram da ação
Cerca de 40 alunos participaram da ação
Compartilhe:

Acadêmicos do terceiro período do Curso de Direito da Universidade Tiradentes realizaram no último sábado, 25 de abril, uma grande ação de conscientização no Parque da Sementeira, zona sul de Aracaju. Divididos em dois grupos, eles panfletaram e orientaram os visitantes sobre a Proposta à Emenda Constitucional conhecida como PEC das Domésticas e realizaram a campanha “Maus tratos? Tô fora”, de proteção aos animais.

O trabalho foi desenvolvido na disciplina Práticas Extensionistas, ministrada pela professora Tatiana de Carvalho Socorro. “É uma ação extremamente relevante, pois os alunos têm contato com a comunidade, saem das salas de aula e proporcionam à sociedade um conhecimento que ela não tem. Assim eles contribuem com o contexto social”, analisa a docente.

“Viemos com a proposta de conscientizar as pessoas no que se refere aos maus tratos contra os animais. Para muita gente, certos tratamentos que os bichos recebem são normais e na verdade são maus tratos, que precisam ser combatidos, justamente por isso a gente está aqui, distribuindo panfletos, conversando com as pessoas, orientando sobre como evitar ou denunciar casos de violência”, explica o estudante João Gabriel Cavalcante Santos.

Para Mila Castro Boaventura, integrante do grupo da PEC das Domésticas, mesmo com toda a repercussão que a Proposta de Emenda Constitucional ganhou na imprensa, ainda pairam dúvidas na sociedade. “Muitas pessoas desconhecem os direitos das dométicas, tanto empregados como empregadores. O nosso objetivo aqui é justamente explicar, tirar dúvidas e aplicar um questionário para verificar o grau de conhecimento que essas pessoas têm acerca do tema”, diz.

A servidora pública Kátia Gomes recebeu o panfleto da PEC e aprovou a iniciativa dos alunos da Unit. “É importante, pois o trabalho das domésticas é digno e precisa ser respeitado”, sintetiza.

Compartilhe: