V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Crise de Identidade: será que tenho ou não tenho?

As crises são comuns em situações de mudança, mas ter dificuldade em enfrentá-las não é considerado um transtorno.

às 15h04
Imagem: Freepik
Imagem: Freepik
Compartilhe:

* Por Andreeyvyd Almeida, estagiário, e Agnes Giovanna Araujo

Em algum momento de nossas vidas, somos obrigados a enfrentarmos a nós mesmos. As experiências que vivemos, os relacionamentos que construímos e as crenças e os valores que adotamos criam uma noção subjetiva do ‘eu’. Por isso, os psicólogos definem que, apesar de não ser um transtorno, algumas situações geram questionamentos sobre ‘quem somos’ ou ‘em que eu acredito’, e geram crise de identidade.

Quando passamos por mudanças que ocorrem nos aspectos físicos e mentais, seja na adolescência ou na fase adulta, a necessidade de enfrentar novos desafios, como a busca por um emprego, em alguns casos o divórcio, a perda de entes queridos, entre outras coisas, as reações são as mais diversas. 

Em meio a tantas dúvidas e incertezas, conhecer os motivos que nos levam a questionar tudo e todos ao nosso redor nem sempre é fácil. Os passos para a descoberta ou origem dos problemas que nos acometem podem levar muito tempo.

Com a ajuda de terapeutas e psicólogos, é possível seguir a trilha do autoconhecimento. Para ajudar a entender o motivo de termos sentimentos tão complexos, o auxílio profissional é fundamental. Através de terapia, paciente e terapeuta trabalham juntos na descoberta real do problema.

Algumas atividades podem ajudar no autoconhecimento:

  • Listar 10 qualidades e 10 defeitos
  • Listar 10 coisas que as pessoas dizem sobre você
  • Listar elogios e reclamações que já recebeu
  • Listar sonhos que gostaria de realizar
  • Descrever o que você faria em uma determinada situação
  • Escrever os pontos altos e baixos sobre o seu enfrentamento de uma situação

Com esses itens em mãos, converse com seu terapeuta. A crise de identidade pode ser uma oportunidade para aumentar a confiança em si mesmo, modificar ou definir novos objetivos e aceitar as mudanças da melhor maneira.

 

Leia também: Olhar mais afetivo pode auxiliar pessoas com ansiedade

Conheça nosso curso de Psicologia

Compartilhe: