V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Defesa dos direitos dos consumidores em meio à pandemia

Assim como as compras presenciais, as feitas pela internet também exigem direitos e deveres por parte do consumidor e da empresa.

às 11h00
Business theme, internet online shopping concept, shopping delivery, shopping cart carry shopping mail box and blur background of shopping bag and open laptop
Business theme, internet online shopping concept, shopping delivery, shopping cart carry shopping mail box and blur background of shopping bag and open laptop
Coordenador operacional dos NPJs da Unit, professor Jéffson Menezes
Advogada do NPJ, Kelly Almeida
Professora de Direito do Consumidor, Valquiria Falcão
Compartilhe:

Por Stefânia Leal e Raquel Passos

Os hábitos de consumo online mudaram consideravelmente com a pandemia, mas a alta dos e-commerces não descarta as problemáticas que envolvem o Direito do Consumidor. Para regulamentar a relação e as responsabilidades entre consumidor e fornecedor, foi criado em 1990, o Código de Defesa do Consumidor (CDC). Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), o Brasil teve um aumento de 47% no faturamento deste setor.

A professora de Direito do Consumidor da Universidade Tiradentes, Valquíria Falcão, aconselha que para uma compra online mais segura, o consumidor precisa conferir a procedência da loja, verificar a existência de um cadeadinho na lateral esquerda da página e quando gerar o boleto é preciso ficar atento, pois um boleto verdadeiro possui os três primeiros números dele iguais aos três primeiros números da seção seguinte.

Para o respaldo do consumidor, a professora salienta ainda quanto a existência de leis e decretos que se unem ao CDC na defesa dos direitos dos consumidores. “É importante que os consumidores saibam também que existem diversas leis e decretos que somadas ao Código de Defesa do Consumidor são eficientes em garantir sua defesa, e em especial para as compras virtuais temos o Decreto Federal n° 7.962 de 2013, que trata especificamente do e-commerce, garantindo assim uma maior segurança aos negócios celebrados nesse formato entre fornecedores e consumidores”.

Núcleo de Práticas Jurídicas

Para auxiliar na manutenção da defesa dos direitos dos consumidores, a Universidade Tiradenes possui os Núcleos de Práticas Jurídicas (NPJs) em Aracaju, Estância, Itabaiana e Propriá. Voltados à população hipossuficiente, aqueles que recebem até três salários mínimos mensalmente, os NPJs da Unit ainda oferecem assistências em outras áreas do Direito, como  Direito de Família, Direito das Obrigações e Contratos, além dos pedidos de atermação.

O coordenador operacional dos Núcleos de Práticas Jurídicas da Unit, o prof. Jéffson Menezes, destaca duas importantes contribuições dos NPJs na defesa dos direitos dos consumidores.

“Há esforços do Estado e de instâncias de solução de conflitos individuais na tutela de direitos dos consumidores, o NPJ chega para somar, seja com a missão de difundir a cultura de paz no judiciário, possibilitando que consumidores e fornecedores possam consensualmente resolver seus conflitos extrajudicialmente, por meio da parceria que mantém com o Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe, por meio do CEJUSC, seja na orientação e assistência jurídica gratuitas que oferece à população sergipana”, ressalta o coordenador.

Tratando-se de Direito do Consumidor, vício do produto e ações de natureza bancária são as solicitações mais frequentes do NPJ Aracaju, segundo a Drª. Kelly Almeida, advogada do Núcleo de Práticas Jurídicas da Unit, mas com o isolamento social as compras online tornaram-se grandes protagonistas. 

“Em razão do grande aumento de vendas de produtos e serviços de forma online acabam impactando negativamente em razão da não entrega do produto ou o atraso, a propaganda enganosa e a falta de informação para os consumidores”, pontua a Doutora Kelly. 

A advogada alerta que a responsabilização de fornecedores de produtos ou serviços viciados ou defeituosos é uma das violações mais frequentes do Código de Defesa do Consumidor (CDC) e frisa que as opções existentes no artigo 18, parágrafo 1º, deixam claro que cabe ao consumidor a escolha do produto ou do serviço. A Doutora Kelly ainda cita as cláusulas abusivas contidas nos contratos e o desrespeito ao princípio da informação como outras violações comuns ao CDC.

Leia mais:

Compartilhe: