V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Engenharia civil e elétrica: uma parceria segura para uma edificação

O engenheiro profissional do ramo atua do projeto elétrico até a fiscalização das instalações de uma obra

às 19h41
A carreira de Engenharia Elétrica está intimamente ligada com a construção civil e requer muito conhecimento dos profissionais (Danilo Alves/Unsplash)
A carreira de Engenharia Elétrica está intimamente ligada com a construção civil e requer muito conhecimento dos profissionais (Danilo Alves/Unsplash)
Compartilhe:

A iluminação pública já foi feita com lamparinas a base de óleo, tempos depois passaram a utilizar o gás e, somente no século 19, elas se tornaram elétricas. Essa tecnologia transformou a vida das pessoas nas cidades. Hoje, é impensável qualquer edificação que não esteja totalmente interligada com a eletricidade. Novas modalidades energéticas surgiram, mas a elétrica ainda está distante de se tornar obsoleta. 

E o profissional que mais entende deste assunto é o engenheiro eletricista. Em qualquer obra da construção civil, este profissional fará parte dos quadros permanentes contribuindo com o planejamento, instalação, manutenção e reformas de circuitos elétricos, em diferentes tipos de obras e construções, das residenciais, a plantas industriais ou mesmo iluminação pública. Sua participação vai desde o projeto inicial até a fiscalização final antes da entrega.

Esta carreira está intimamente ligada com a construção civil e requer muito conhecimento, visto os riscos envolvidos, inclusive para a própria vida do trabalhador. Há muita responsabilidade envolvida em cada projeto executado, que acontece sempre aliado ao trabalho de outros profissionais como o engenheiro civil, arquiteto, o urbanista, entre outros do segmento

Maior segurança

Um projeto elétrico deve seguir as especificações previstas em normas técnicas, e passam por fiscalizações de órgãos reguladores, para garantir a máxima qualidade e segurança das instalações elétricas. É de responsabilidade do engenheiro eletricista que elas sejam cumpridas, evitando risco de curto circuitos, incêndios, sobrecargas e danos nas instalações elétricas que vão comprometer a segurança do ambiente.

Também é importante que as instalações sejam eficazes, não gerando perdas nem desperdícios que podem impactar nos custos de uma obra ou mesmo em risco de acidentes. Um caso recente exemplifica uma falha comprometedora da fiação elétrica, que impediu a inauguração da obra de uma escola. Os fios utilizados, que estavam irregulares, foram produzidos por uma fábrica no Espírito Santo, que acabou interditada e com seus responsáveis investigados. 

O material fora das normas técnicas causam superaquecimento da rede de energia, com risco de curto circuitos e incêndios. Também gera aumento do gasto de energia e na conta do consumidor. As investigações mostram que a empresa vendeu o produto irregular para lojas, escolas, igrejas e hospitais, colocando em risco a vida de uma infinidade de pessoas. 

Esta situação gera um questionamento: ninguém fiscalizou o material e percebeu sua desqualificação antes da realização da instalação nessas obras? Além de projetar a distribuição dos circuitos elétricos necessários para viabilidade da construção, o engenheiro eletricista também deve definir os materiais a serem utilizados. Projetos sem a participação desse profissional podem ser mal executados, gerando além dos riscos já mencionados, custos extras com reparos. A escola do caso terá que ter toda a sua fiação elétrica substituída. 

A contratação de engenheiros eletricistas para compor suas equipes de trabalho é um ganho para a qualidade e segurança de qualquer obra. A presença de um profissional capacitado e ético teria feito a diferença nesse caso do Espírito Santo, realizando a análise do material e propondo a substituição por material de melhor qualidade. 

Uma curiosidade: todo profissional com um bacharelado em Engenharia Elétrica se apresenta como “Engenheiro Eletricista”. Este é o nome oficial do título atribuído pela resolução 473/02 do Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea). 

Asscom | Grupo Tiradentes 

Compartilhe: