V E S T I B U L A R UNIT
MENU

"Eu me senti muito agraciado por ter essa oportunidade", diz egresso.

Cliff Iuri Gonçalves, egresso do curso de Engenharia de Petróleo, passou por quatro universidades em dois anos durante a Mobilidade Acadêmica.

às 10h43
Compartilhe:

O sonho de fazer uma Mobilidade Acadêmica levou Cliff Iuri Gonçalves, literalmente, além-fronteiras. Egresso do curso de Engenharia de Petróleo da Universidade Tiradentes — Unit, sempre pensou em ter uma experiência no exterior. Sempre foi um sonho e eu já me preparava para isso antes mesmo de ingressar na Unit. Fazia curso de Inglês, pois sabia que seria necessário caso eu quisesse morar fora e estudar”, comenta Cliff.

Enquanto cursava o 5º período do curso, fez sua inscrição para o processo seletivo para o programa de Mobilidade financiado pelo Santander, com bolsas para países ibero-americanos. “Particularmente, eu não acreditava que seria aprovado, pois a seleção era por média e por área de conhecimento”, diz. 

“Como eu estava concorrendo com todos os cursos da área de Exatas, o sonho parecia não tão próximo. Engano meu. Fui selecionado e, em agosto de 2012, viajei para Guadalajara, México, onde estudei na Universidad de Guadalajara, no Centro Universitario de Ciencias Exactas e Ingenierías (Cucei) por um semestre. Lá, eu pude cursar disciplinas na área de Engenharia Química, Matemática e Economia aplicada”, acrescenta.

Após retornar, Cliff fez a inscrição para o Ciência sem Fronteiras, chamada para Portugal. “Durante o processo seletivo, o governo decidiu cancelar a chamada para Portugal e remanejou os alunos para outros países, à escolha de cada um. Optei pelos Estados Unidos e, em agosto de 2013, viajei para a University of Texas, Austin, onde cursei inglês avançado por um semestre”, explica. Posteriormente, foi remanejado para a Kansas State University, onde cursou disciplinas de Engenharia Química, Geologia e Gestão Industrial. “No verão de 2014, de maio a agosto, retornei para a University of Texas, e realizei um estágio em pesquisa na área de engenharia de reservatórios”, conta. Após esse período, mudou mais uma vez de universidade, indo para a Montana Tech of the University of Montana, onde cursou disciplinas de Engenharia de Petróleo e Geofísica. “Na Montana Tech, também realizei pesquisa experimental em medida de permeabilidade de xisto de uma região do Norte dos Estados Unidos”, enfatiza.

“Ao todo, passei por quatro universidades em dois anos de Mobilidade Acadêmica e me senti muito agraciado por essa oportunidade, o que não teria sido possível se a Unit não tivesse expandido suas fronteiras para enviar alunos para o exterior, através de parcerias”, destaca.

Além da Mobilidade Acadêmica, durante a graduação Cliff foi aluno de Iniciação Científica, monitorou a disciplina de Termodinâmica com o professor Cláudio Dariva e participou das práticas de Extensão, onde integrou o grupo Solipetro, criado com a finalidade de dar aulas de reforço para cerca de 30 crianças de uma família do Rosa Elze. “Na Universidade Tiradentes, pude obter uma trajetória completa e abrangente. Quando afirmo que na Unit eu pude ter uma formação completa, não digo levianamente, pois pude participar do eixo ensino, pesquisa e extensão, tão importante na universidade”, salienta.

Com mestrado em Engenharia Química pela Universidade Federal de Sergipe, atualmente Cliff está no seu último ano de doutorado na Coppe – Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, um dos maiores centros de ensino e pesquisa em Engenharia da América Latina. “Tenho muito orgulho, pois muitos dos meus professores e mentores durante o período da Unit estiveram por aqui também”, finaliza.

Veja também: “O intercâmbio foi a maior experiência da minha vida”, diz acadêmico.

Compartilhe: