V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Joel Silveira ganha espaço na Biblioteca da Unit e tem história perpetuada

Como Joel Silveira completaria 100 anos em setembro, sua família foi homenageada durante solenidade de inauguração de espaço na Unit que abriga seu acervo

às 20h20
O reitor da Unit entrega honraria à filha de Joel Silveira
O reitor da Unit entrega honraria à filha de Joel Silveira
Missa em ação de graças ao centenário de Joel Silveira foi celebrada [Fotos: Luiz Dinarte/CCS Unit]
Prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira, participou do momento
Familiares e amigos de Joel apreciam estante que era sua e que hoje compõe o Espaço Joel Silveira, na Biblioteca da Unit
A filha de Joel, Elizabeth Silveira, e o neto, Rodrigo Silveira Monte, fazem corte da fita do espaço
Reitor da Unit, professor Jouberto Uchôa, apresenta linha do tempo de Joel Silveira
Amigos e familiares de Joel Silveira recebem Medalha Tiradentes
Alunos de Comunicação Social produziram um documentário sobre a história de Joel Silveira
Compartilhe:

Por Raquel Passos

Texto impecável, coerente e personalidade tempestiva. Esses atributos concederam ao sergipano Joel Silveira o título de ‘víbora’ por Assis Chateaubriand, seu colega jornalista e um dos homens públicos mais influentes do Brasil nas décadas de 1940 e 1960. Em 23 de setembro, o lagartense completaria 100 anos de vida. Para celebrar a data, a Universidade Tiradentes – Unit – homenageou sua filha e neto, Elizabeth e Rodrigo Silveira, durante a solenidade que oficializou a doação do acervo do célebre sergipano à Unit. Assim, o Espaço Joel Silveira, localizado na Biblioteca Central, Campus Farolândia, foi inaugurado na noite deste dia 15.

Preocupado com o legado da personalidade sergipana, o reitor da Unit, professor Jouberto Uchôa de Mendonça, acionou a família para um ato em alusão ao centenário de Silveira e foi surpreendido. “Esse acervo seria doado à Biblioteca Nacional, mas como somente a Unit teve iniciativa de homenageá-lo, a família fez essa doação e agora vai ficar à disposição de todas as pessoas de nossa terra que queiram conhecer a história de um grande jornalista do mundo e o valor de um cidadão de bem que foi Joel Silveira”, comenta o reitor.

Durante o evento, a Medalha Tiradentes foi concedida à filha, Elizabeth Silveira, ao neto Rodrigo Silveira Monte, e ao amigo do homenageado, Zevi Ghivelder, o título de Medalha do Mérito Tiradentes. A condecoração se deu em razão da preservação da história e legado de um dos maiores jornalistas brasileiros, por sua atuação nos campos de batalha durante a 2ª Guerra Mundial e toda contribuição para a história da imprensa brasileira.

“Não imaginava que papai seria homenageado de forma tão calorosa e emocionante, estou muito feliz com o momento. Ele tinha mania de dizer que Sergipe tinha esquecido dele, e essa festa toda reforça que de fato Sergipe não o esqueceu. A coisa que papai mais pedia era que a biblioteca não fosse desmembrada. Me pediram pra vender seus itens, mas eu não tinha esse direito, esses títulos eram a vida dele. Agradeço a professor Uchôa pelo cuidado e dedicação com esse espaço tão lindo. Tudo foi restaurado, os quadros, as gravuras, as fotos. Tô até pensando em comprar um apartamentinho em Aracaju para ficar mais próximo. Estou encantada!”, comenta Elizabeth Silveira.

Seu filho, o neto de Joel, Rodrigo Silveira Monte, ficou por minutos contemplando um móvel que está posicionado à entrada do espaço. “Foi forte ver essa estante aqui e assim de perto. Ela está organizada de uma forma muito parecida como era na casa dele. Passei muito tempo vivendo lá. Mais do que onde estava antes, aqui o acervo vai ter uma continuação maior e uso, que é o que desejamos. Ele tinha um pedido de não diluir sua biblioteca. É muito feliz estar aqui, numa instituição de ensino desse porte que é a Unit, que vai instigar à continuação. Meu avô fazia uma casca de durão, mas tenho certeza que ficaria muito feliz”, conta Rodrigo.

O reitor da Unit entende que a homenagem é mais que justa. “Enquanto sergipano, precisamos quitar uma dívida de nossa terra que costuma não valorizar os tesouros que já produziu. Nosso Joel Silveira foi o maior nome da imprensa mundial nos campos de guerra. Precisamos fazer com que a juventude conheça as pessoas que fizeram a grandeza da nossa terra”, conta Uchôa.

Dentre as personalidades presentes, estava o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira. Segundo ele, Joel Silveira foi jornalista militante e diferenciado pelo posicionamento que assumia diante de grandes questões sociais. “Trazer para Unit o acervo de Joel Silveira é um fato marcante para cultura e história. Para nós sergipanos, é motivo de orgulho. Ele inaugurou uma nova forma de escrever e ser jornalista; tinha texto preciso e polêmico, além disso, permeava em seu texto, uma crônica do cotidiano. Ou seja, tinha inteligência fulgurante! Joel era um intelectual, fez de jornalismo sua profissão e fez história sendo jornalista. Joel foi militante, homem de letras e era polêmico”, afirma Edvaldo, parabenizando à figura do reitor Jouberto Uchôa pela iniciativa.

Homenagens

O jornalista e membro da Academia Sergipana de Letras, Amaral Cavalcante, conviveu com Joel à época em que atuou como secretário de estado da Cultura em Sergipe nos anos 80. “Joel é um dos jornalistas mais importantes do Brasil. Ele refundou o jornalismo e criou uma linguagem absolutamente nova principalmente na reportagem. Para Sergipe, esse espaço é importante porque é um dos nossos grandes nomes e ele realmente viu a ‘banda passar’, como costumava dizer”, comenta Amaral.

Para ele, manter o legado de Joel Silveira é um ato cívico. “A Unit tem prestado um grande serviço para a preservação da memória em Sergipe. Tem acervo de Luis Antônio Barreto, o acervo fotográfico de Lineu Lins e outros que também estão na Unit. Este foi um grande tento, porque Joel viveu afastado de Sergipe e agora ele será mais estudado do que já é”, avalia.

Um dos fundadores da Rede Manchete em 1983,  Zevi Ghivelder, também recebeu o título de Medalha do Mérito Tiradentes. Para ele, o momento é histórico assim como o legado de Joel. “Tive uma relação profissional com Joel muito curiosa desde o começo. Eu era muito jovem quando fui nomeado chefe de redação da Manchete e apareceu Joel para ser repórter e redator. Na hora em que o vi entrar, pensei: ‘ Como vou chefiar o Joel Silveira? ’ Mas ele sempre muito simples e agradável, construímos uma profunda relação profissional e social. É tanto que ele é padrinho dos meus filhos e algo que me gratifica muito. Fiquei feliz em saber que os livros do Joel estão na Unit e acho que vou fazer o mesmo com os meus, viu?!”, diz Zevi.

O acervo

Toda sua história está organizada em um acervo com cerca de 6 mil exemplares, dentre eles, suas publicações de autoria consideradas raras, obras especiais em parceria com grandes nomes da literatura brasileira, como Manoel Bandeira e Rubem Braga; e uma coleção preciosa em parceria com Carlos Drummond de Andrade que até então só tinha na Biblioteca Nacional.

Tudo está disponível para visitação e consulta na Biblioteca Central da Unit, no campus Farolândia, de segunda a sexta-feira, das 7h às 22h, e aos sábados das 8h às 16h.

Joel Silveira

Nasceu em Lagarto, em 1918 e foi para o Rio de Janeiro em 1937, onde se destacou como jornalista e escritor. Foi repórter de guerra e seus mais de 60 anos de carreira contabilizaram passagens por diversas redações do país e ocupou inúmeros cargos. Seu primeiro emprego foi no semanário Dom Casmurro, depois foi repórter e secretário da revista Diretrizes, escreveu também para os Diários Associados, Última Hora, O Estado de S. Paulo, Diário de Notícias, Correio da Manhã e Manchete. À época, foi escolhido por Assis Chateaubriand, dos Diários Associados, para ser correspondente de guerra junto à Força Expedicionária Brasileira.

Tem hoje cerca de 40 livros publicados. Foi agraciado com o Prêmio Machado de Assis, o mais importante da Academia Brasileira de Letras, em 1998, pelo conjunto de sua obra. Foi Também ganhador dos prêmios Líbero Badarô, Esso Especial, Jabuti e Golfinho de Ouro.

Com informações da Global Editora

 

Compartilhe: