V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Pesquisa aborda relação entre ensino médio e o mercado de trabalho

98% dos 7.798 estudantes da escola pública entrevistados na pesquisa entendem que o ensino médio não os prepara para o mercado de trabalho.

às 12h06
Maioria dos estudantes do Ensino Médio quer uma formação mais profissional e voltada para as demandas do mercado (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Maioria dos estudantes do Ensino Médio quer uma formação mais profissional e voltada para as demandas do mercado (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Compartilhe:

O ensino médio pode ser o requisito mínimo para muitas vagas de emprego, mas será que essa mão de obra está qualificada o suficiente para o mercado de trabalho? Segundo pesquisa do DataFolha, encomendada pela organização Todos pela Educação, 98% dos estudantes da educação básica das escolas públicas concordam, totalmente ou em parte, que deveria haver opções de formações voltadas a preparar para o mercado de trabalho.

A necessidade de se trabalhar competências e habilidades que preparem esses alunos para o mercado de trabalho se materializa nos 92% que concordam, totalmente ou em parte, que deveriam poder escolher áreas para aprofundar seus estudos. Vale salientar que a partir de 2022 deu início, na rede pública e privada, a implantação do Novo Ensino Médio, instituído pela lei 13.415/2017.

Os itinerários formativos propostos pelo novo ensino médio, que prevêem 1.200h das três mil horas propostas para essa nova formatação, geram discordância entre os especialistas em educação, já que ainda é encontrado um déficit de professores na rede pública. Quase metade dos alunos que fizeram parte do estudo, 46%, têm problemas com a não realização de todas as aulas devido à falta de professores nas escolas.

O comprometimento dos agentes educativos na formação dos estudantes, principalmente na hora de apresentar as áreas de conhecimento durante as aulas de projeto de vida que tem a finalidade de ajudar o alunado a planejar o futuro. Prova disso, é que 79% concordam que têm ou tiveram um professor que os ajudam a construir seus sonhos.

Ser independente financeiramente é o principal motivo pelo qual faz o aluno trabalhar ou pensar em trabalhar, sendo retratado na pesquisa com um índice de 71% dentre os que já trabalham e 70% entre os que ainda não trabalham. Essa questão ainda está relacionada ao abandono escolar: 48% dos jovens consideraram a possibilidade de largar a escola para poder trabalhar.

A expectativa sobre o que fazer ao concluir a educação básica também foi trabalhada. Dentre os entrevistados, 65% consideram como próximo passo em sua educação ir para o ensino superior, enquanto 22% consideram fazer uma formação técnica e profissional. Em contrapartida, o IBGE aponta que apenas 24% dos jovens com idades entre 18 e 24 anos têm acesso ao Ensino Superior.

Publicada em agosto deste ano, a pesquisa tem o objetivo de compreender como os jovens percebem sua escola e a educação por meio de um processo de escuta ativa e pesquisa de opinião. Realizada nos 26 estados e no Distrito Federal, foram entrevistados 7.798 estudantes do ensino médio. Os resultados possuem uma margem de erro de 2 pontos percentuais.

Asscom | Grupo Tiradentes
com informações do Todos pela Educação

Compartilhe: