V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Tsunami no Brasil: professor de geologia explica baixa probabilidade

Professor da área de geologia e geotecnia explica como os tsunamis e erupções vulcânicas estão interligados

às 20h34
(Imagem: Nasa)
(Imagem: Nasa)
Compartilhe:

O alerta de erupção do vulcão Cumbre Vieja, nas Ilhas Canárias, fez a internet parar, nesta quinta-feira, 16/09. O aumento das atividades do vulcão trouxe à tona uma antiga discussão: é possível a ocorrência de tsunamis no Brasil caso o vulcão entrasse em erupção nas Ilhas Canárias? Mas o especialista em geologia já adianta que a possibilidade é baixa.

De acordo com o doutor Anderson Sobral, professor da área de geologia e geotecnia da Universidade Tiradentes (Unit), um tsunami só ocorreria no Brasil, provocado pela erupção do vulcão se houvesse um abalo de alta intensidade.

“Para o litoral brasileiro ser afetado, seria necessário haver uma grande erupção, associada a um abalo sísmico acima de 7 na Escala Richter, capaz de desestabilizar a estrutura rochosa do vulcão, causando um desmoronamento. Essa queda iria gerar um movimento de massas d’água. E esse movimento criaria altas ondas, que atingiriam toda a costa do Atlântico”, explica.

Outra possibilidade para que haja um tsunami no Brasil ocasionado por uma erupção seria um vulcão submerso. No entanto, o professor alerta para outros efeitos. “Esse fenômeno acontecendo numa cadeia oceânica que está submersa, pode gerar a movimentação de massa de água para provocar uma tsunami, mas além disso, promove a dispersão de gases tóxicos na atmosfera terrestre de forma natural”, disse.

Além disso, a distância entre o Brasil e as Ilhas Canárias, onde o vulcão Cumbre Vieja está localizado, é de 6 mil km. “A dorsal meso-oceânica é uma cadeia de montanhas submersas localizadas no centro do oceano Atlântico. É uma área de grande movimentação tectônica, mas está distante da costa brasileira”, ameniza o doutor Anderson.

Erupção vulcânica

O professor descreve a erupção vulcânica como um fenômeno da natureza, associado à saída do magma – material rochoso derretido presente no interior da Terra – para a superfície da Terra. “Elas podem ser divididas quanto à sua violência em explosivas e efusivas. As explosivas são causadas pela acumulação de vapor e gases sob elevadas pressões, que são libertados de forma violenta”, conclui.

 

Leia também: ODS: Meio Ambiente em debate

Compartilhe: