V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Unit realiza caminhada da conscientização

Centenas de pessoas, entre professores e estudantes de cursos da área da Saúde da Unit participam do Outubro Rosa realizando a caminhada da consciência

às 22h48
Registro da caminhada em frente À Biblioteca Central da Unit
Registro da caminhada em frente À Biblioteca Central da Unit
Professora Maria Pureza e Vanessa Lordelo
As professoras Michelline e Arleide Barreto
Distribuição de panfletos acompanhados de orientações
Compartilhe:

A manifestação de solidariedade realizada na tarde desta sexta-feira, 23, reuniu centenas de professores e estudantes com o objetivo de dar maior visibilidade ao Outubro Rosa, campanha da qual a IES sergipana participa levando, especialmente à população feminina, informações fundamentais sobre cuidados básicos que ajudam na prevenção e combate do câncer de mama.

Integrado à campanha, Marcos Antônio Alves Júnior, aluno do 4º período do curso de Medicina da Unit reconhece que o surgimento do câncer de mama tem sido recorrente entre as mulheres. “A campanha serve para alertar as pessoas da necessidade do autoexame e da obtenção do apoio médico quando detectada alguma irregularidade”, esclarece.

Alice Regina de Oliveira Carvalho, 9º período de Enfermagem endossa o que seu companheiro Marcos Antônio fala sobre a campanha. “Acho muito importante essa manifestação porque hoje em dia há um índice muito elevado de mulheres com o diagnóstico do câncer de mama”.

“Como somos uma universidade que oferta diversos cursos na área da saúde, precisamos nos posicionar no sentido de sermos solidários a essas mulheres. A Unit possui um público feminino muito grande, por isso precisamos estar presentes alertando sobre a importância da detecção precoce do câncer de mama”, diz a coordenadora do curso de Enfermagem, professora Maria Pureza Ramos de Santa Rosa.

Thais Costa Mendonça recebeu orientação sobre os procedimentos adequados enquanto lanchava no minshopping. “Acho atitudes como essa muito importante porque a maioria das mulheres não tem esclarecimentos sobre um assunto tão preocupante como é o câncer de mama se não detectado de maneira precoce”, revela.

A coordenadora do curso de Farmácia, professora Ana Cristina Ferreira considera a interdisciplinaridade fundamental para o desenvolvimento de ações de extensão que mobilize a comunidade universitária ou externa. “Essa campanha é extremamente importante. Hoje sabemos que o índice de mortalidade das mulheres vítimas do câncer de mama é muito grande. Por isso, resolvemos nos unir para mostrar a toda comunidade acadêmica a importância do autoexame e da mamografia para que seja detectado mais precocemente o câncer e para que a paciente tenha melhor qualidade de vida”, justifica a professora.

Presentes durante todo o momento da caminhada, a Diretora de Graduação da Unit, professora Arleide Barreto, e a coordenadora do Centro de Inovação e Tecnologia Educacional, Michelline Roberta Simões do Nascimento ponderam sobre a importância da campanha ser realizada dentro da própria universidade.

“Fazemos um excelente trabalho de extensão com projetos importantes, mas, é necessário que ações como essa também ocorram com o objetivo de atender à comunidade interna”, salienta a professora Arleide.

A diretora adjunta da área da saúde, professora Vanessa Lordelo lembra que através de ações como a que ocorreu na tarde desta sexta-feira, toda a comunidade acadêmica termina por se envolver num importante projeto de prevenção. “Hoje falamos com as mulheres que fazem a Unit, mas, nosso propósito é informar também aos homens para que eles conversem com suas mães, filhas, namoradas, enfim, pessoas que estejam próximas sobre a necessidade de ações para o combate dessa doença tão grave e que compromete tanto a saúde das mulheres”.

A professora do curso de Enfermagem Marieta Gonçalves, responsável pela disciplina Saúde Sexual e Reprodutiva reafirma que a caminhada tem por objetivo conscientizar as mulheres da academia para tentar reduzir o câncer de mama. “Não é nosso desejo que a mulher assuma o diagnóstico e sim, que ela conheça a suma mama e que, ao encontrar qualquer alteração, busque os profissionais de saúde. É necessário que a mulher sinta a necessidade de se tocar e de observar o corpo em busca da prevenção”, pondera Marieta.

Fotos – Marcelo Freitas. Para ver mais fotos, clique aqui.

Compartilhe: