V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Unit sedia o 2º Encontro de Autismo e mobiliza profissionais e pais de crianças diagnosticados com TEA


às 18h27
O público participa ativamente
O público participa ativamente
A professora Kátia, à direita de Célia Silveira, mãe de autista
Isis Barcelar Araújo, uma das organizadoras
Compartilhe:

O 2º Encontro de Autismo realizado na manhã do sábado, 6, no auditório Padre Melo da Unit Farolândia, reuniu profissionais, estudantes e representantes da sociedade interessados em abordar o tema sob o prisma da pesquisa acerca da realidade do autista e também sobre a ótica do convívio entre pais e filhos diagnosticados com o que se denomina Transtorno do Espectro Autista.

A egressa de Serviço Social do Campus Estância, a psicopedagoga clínica Célia Silveira Nascimento Matos, contribuiu com a realização do encontro ao apresentar o olhar da família sobre o autismo. Mãe de uma criança autista (hoje com 10 anos) e de uma adolescente neurotípica com 16 anos, Célia relata que há uma distinção nítida de comportamento entre ambas, apesar de que, em relação ao desenvolvimento individual, cada uma apresenta dificuldades em proporções diferentes. Ela se refere à forma como cada uma encara a percepção da vida.

“Aprendo todos os dias com o Arthur que tudo aquilo que é conquistado nos oferece um olhar diferente. Convivendo com os dois, percebo o quanto, na maioria das vezes, deixamos de saborear toda a conquista do falar, do andar e do se expressar como a gente saboreia com uma criança especial”, comenta Célia.

Membro da comissão do evento, a terapeuta comportamental Isis Barcelar Araújo faz um comparativo do encontro em relação à sua primeira versão e salienta que o tema desperta cada vez mais o interesse da sociedade.

“É necessário uma ampla discussão para que possamos nos desvencilhar do preconceito e do estigma existente sobre o indivíduo com autismo”, justifica Isis.

Responsável pela coordenação do Núcleo de Apoio Psicossocial da Unit, a assistente social e professora Kátia Maria Araújo Souza lembra que a intermediação feita para que o 2º Encontro sobre Autismo fosse realizado na Unit demonstra o interesse da instituição em discutir o tema.

“Para muitas pessoas é real a ideia de que o autismo existe apenas na educação infantil. E isso não procede. Ele chega no ensino superior, que muitas vezes não está preparado para receber o autista”, argumenta a docente convicta da importância de que o tema seja sistematicamente discutido.

Compartilhe: