V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Conheça as propostas apresentadas no CBESP para o ensino superior

O diretor de operações acadêmicas do Grupo Tiradentes destaca a importância dessas propostas para o desenvolvimento do ensino superior brasileiro

às 15h44
Diretor de operações acadêmicas do Grupo Tiradentes, Marcos Wandir Nery
Diretor de operações acadêmicas do Grupo Tiradentes, Marcos Wandir Nery
Compartilhe:

No mês de maio foi realizado o Congresso Brasileiro de Educação Superior Particular (CBESP), para a apresentação da Carta de Florianópolis que consiste nas dez propostas para o desenvolvimento do ensino superior brasileiro com o tema Criatividade e Inovação na construção da educação superior pós-pandemia. Essas propostas visam o crescimento, a qualidade, a inovação e o incentivo de parcerias entre os setores público e privado. 

Os pontos da carta trouxeram alguns elementos para a reflexão e o debate crítico acerca do ensino superior em geral, incluindo a modalidade de Educação a Distância (EAD), sem perder de vista a necessidade de formar pessoas para atender às diversas demandas de um mercado de trabalho complexo, dinâmico, cada vez mais tecnológico e altamente volátil, segundo o diretor de operações acadêmicas do Grupo Tiradentes, Marcos Wandir Nery que também pontua como a pandemia acelerou os processos educacionais que já estavam em curso.

“O interesse das pessoas por uma qualificação formal impulsiona as instituições de ensino a: ampliar seu portfólio de cursos, em diferentes modalidades, com o uso de metodologias ativas e disciplinas híbridas; promover a formação continuada de seus professores; utilizar ou mesmo desenvolver de forma compartilhada a tecnologia necessária; e inovar seus modelos de negócios”, diz o diretor.

Ainda de acordo com Marcos, as instituições precisaram integrar o uso de ferramentas para atender as demandas por uma formação de nível superior. “Esse processo que inicia na captação de futuros alunos, uma comunicação eficiente e significativa com os interessados e os estudantes, uma plataforma de gestão acadêmica que atende as demandas financeira, administrativa, pedagógica e de oportunidades até o egresso, como também o ambiente virtual de aprendizagem (AVA), as bibliotecas virtuais e os percursos formativos, tendo que vislumbrar oportunidades em um ambiente fortemente regulamentado pelo Ministério da Educação (MEC)”, contempla.

O diretor ainda diz que o trabalho cooperativo para formar parcerias baseadas nas trocas acadêmicas, no ganha- ganha, em redes colaborativas e focada nos serviços comuns, vão consolidar arranjos vantajosos para minimizar custos e maximizar receitas, com os diferenciais oferecidos por cada instituição. “Não devem ter fronteiras definidas, pois as articulações podem ser regionais, nacionais ou internacionais, quando o importante é alcançar a qualidade acadêmica com a garantia de sustentabilidade”, finaliza.

Os 10 pontos abordados na carta: 

  1. Modernizar o marco regulatório da avaliação e da supervisão
  2. Criar um novo modelo de financiamento estudantil
  3. Ampliar o ProUni e reabrir o ProIES
  4. Oferecer linhas de financiamento para estímulo à inovação nas IES
  5. Aprovar uma reforma tributária justa para a educação
  6. Desenvolver mecanismos de integração da educação superior com a educação básica
  7. Revisar a legislação da educação brasileira para contemplar as metodologias híbridas
  8. Integrar as IES ao mundo do trabalho
  9. Ampliar a participação das IES privadas nos conselhos de órgãos de governo
  10. Estimular a internacionalização da educação superior particular

Leia também: Curso de Mídias Digitais da Unit EAD: tudo o que você precisa saber

Compartilhe: