V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Aluno homenageia coordenador de Direito em Estância

Ismael Pereira, acadêmico e artista plástico, publica artigo sobre professor Manuel Caldas Filho no Jornal da Cidade

às 18h50
Compartilhe:

PROFESSOR MANUEL SOARES CALDAS FILHO

Por Ismael Pereira

Artista plástico e estudante de Direito

(Publicado no Jornal da Cidade)

Professor Manuel Caldas Filho

Professor Manuel Caldas Filho

Nascido em São Paulo capital, portanto paulistano, o professor Manuel Soares Caldas Filho diz: “gato que nasce em forno de padaria necessariamente não é pão”. Assim falando ele quer dizer que nasceu na capital de São Paulo, mas, ainda criança veio para Aracaju, distanciando-se da terra da garoa e fixando residência na capital de Sergipe, terra dos coqueirais, sol, do mar, da mangaba cheirosa e do doce caju de Aracaju.

Na adolescência pensou ser engenheiro mecânico, realmente uma profissão muito atraente, mas que segundo ele mesmo, por ser um curso sobrecarregado de cálculos, o que não era o seu forte, meditou sobre o assunto e resolveu redirecionar a agulha magnética da sua vocação para o norte verdadeiro do curso de Direito, graduando-se, para nossa satisfação e proveito, na Universidade Federal de Sergipe – UFS. Talvez, no âmago da sua vontade de escolha profissional já estivesse presente, de forma clara e inconfundível, a crença no Direito como a melhor forma de convivência humana, livre e pacífica, capaz de assegurar a justiça, a paz e o progresso da sociedade.

 Assim, Caldas entregou-se aos estudos com o compromisso e o rigor que o caracterizam até hoje, num curso que aporta um conjunto de conhecimentos e exige muita disciplina e amplitude de leitura, valores firmes, mas ao mesmo tempo capacidade de renovação, face às mudanças sociais e culturais que distingue a diversidade de possibilidades promotoras de equilibrado entendimento dos problemas e situações contextualizados paradigmaticamente em cada época.

Ismael Pereira: autor da homenagem

Ismael Pereira: autor da homenagem

Após vencer a difícil etapa acadêmica na Universidade Federal de Sergipe, o bacharel em Direito, como a águia, ousou voo mais alto e, vencendo todos os ventos dificultadores que sopravam contra, o jovem advogado abriu o alforje, onde por cinco anos guardou tudo quanto aprendeu, para começar a mostrar, a quem interessasse pudesse, que era possuidor de talento e muitos conhecimentos jurídicos que o qualificavam para atuar em defesa dos interesses da clientela que pouco a pouco ia se formando.

Bem sucedido na carreira que abraçou, Manuel Soares Caldas Filho viu as portas da universidade se abrir para inseri-lo em seleto corpo docente. Não foi preciso muito tempo para o professor Caldas se revelar um profissional proficiente, carismático, dinâmico e disciplinado dentro e fora da Universidade Tiradentes – UNIT, onde atua em movimentados escritórios de advocacia acompanhando vigilantemente um a um dos processos que lhe são confiados.

Com inequívoca dedicação e rara competência o professor Caldas construiu seu arcabouço de experiências bem sucedidas transformando-se como advogado e professor em lídimo defensor da Justiça, do Direito e da boa educação – vias insubstituíveis para assegurar a evolução da humanidade em plenitude de liberdade, autonomia e consciência.

Como advogado atua na esfera do Direito Público e, na Universidade Tiradentes, leciona Direito Processual Civil, disciplina que domina como um experiente toureiro domina o touro nas arenas madrileñas. Suas turmas são repletas, cheias, dificilmente se encontra lugar para mais um, uma vez que o alunado gosta da sua didática, do seu jeito de interagir com todos. Descontrai quando cabe e franze a testa quando preciso. Esse seu jeito peculiar se confirma como uma marca que vai construindo sua identidade docente, antecipando uma sabedoria dialógica essencial inerente ao seu desempenho pedagógico, permitindo que a turma conheça, palmo a palmo, os espaços geográficos do professor que assim conquista não só a simpatia discente, mas, sobretudo o justo reconhecimento e o respeito como frutos do seu trabalho como verdadeiro educador. O professor Caldas, no cumprimento de suas metas em sala de aula sempre encontra um tempinho para motivar, orientar e preparar seus alunos para o difícil enfrentamento com as lides. É o Caldas conselheiro, é o professor preocupado com o futuro dos seus alunos.

Além de lecionar no campus Farolândia da UNIT, em Aracaju, leciona no campus de Estância, onde é coordenador do curso de Direito. Mantém plena atividade advocatícia, com crescente volume de demandas judiciais. Isto prova que o professor Caldas, portador de compleição atlética, altura ideal para jogador de vôlei ou basquete, que por sinal já jogou, tem fôlego de gato que nasceu em forno de padaria, tem boas reservas do carboidrato no seu sábio e ainda jovem organismo paulistano/sergipano que oxalá Deus permita, mantenha o vigor físico e mental por muitos e muitos anos, para a vitalidade dele e a saúde orgânica do ensino universitário em nosso glorioso Estado.

Com quase dez anos de casa, portanto com permanência consolidada na Instituição capitaneada pelo eminente Professor Jouberto Uchoa de Mendonça, seu Magnífico Reitor, o jovem professor Caldas ainda tem um longo caminho a percorrer e muito caldo verde pleno de esperanças a degustar, para nutrir e vivificar muitas alvoradas. Devo dizer isentando a admiração e o apreço pessoal ao professor Caldas, que a consolidação das suas praticas – jurídica e educacional se deve, também aos princípios firmes e inegociáveis que defende, arrimados na ética, na honestidade, no respeito ao próximo, e, sobretudo em refinado senso de justiça.

Não apenas a comunidade acadêmica de Direito da UNIT se regozija por possuí-lo em seus quadros, mas também se orgulham todos aqueles que buscam no Direito a ferramenta ideal para a engenhosa montagem do futuro profissional.

Promover e potencializar inteligências jovens, preparando homens e mulheres profissionais do futuro, é o que devotada e diuturnamente vem fazendo o intrépido professor Caldas, e tudo isso se faz na bem aventurança dos que compreenderam como o ilustre mestre Tobias Barreto que o “Direito não é só uma coisa que se sabe, mas também uma coisa que se sente”. Assim, almejo que o Direito seja sempre para o nobre professor, não apenas um importante espaço de exercício profissional, mas a expressão mais honesta e funda da sua vocação humana para viver na complexa sociedade que nos acolhe a plenitude da vida. Avante, professor Manuel Soares Caldas Filho.

Compartilhe: