V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Alunos de Farmácia realizarão oficinas em UBS sobre uso racional de plantas medicinais

Usuários e profissionais da UBS Roberto Paixão, no bairro 17 de Março, recebem oficinas até novembro sobre como fazerem uso de plantas medicinais sem riscos

às 20h47
A partir de outubro, alunos realizarão oficinas sobre uso racional de fitoterápicos em UBS
A partir de outubro, alunos realizarão oficinas sobre uso racional de fitoterápicos em UBS
Atividades acontecerão na Unidade Básica de Saúde - UBS - Roberto Paixão, do bairro 17 de Março
Compartilhe:

Por Raquel Passos

O uso popular de ervas medicinais é uma prática tão antiga quanto a própria história da humanidade, principalmente no Nordeste brasileiro. Mas é preciso entender que nem toda flora é propícia para o consumo humano. Pensando em esclarecer sobre os ricos deste uso geralmente indiscriminado por parte da população, alunos do curso de Farmácia da Universidade Tiradentes – Unit – realizarão oficinas para usuários e profissionais da Unidade Básica de Saúde Roberto Paixão, do 17 de Março.

No dia 1º de outubro, das 14h às 16h, acontecerá a primeira atividade para os profissionais da UBS com o tema: ‘Plantas medicinais para o sistema gastrointestinal’. Já no dia 7 será realizada, das 8h às 11h30, a oficina ‘Como usar corretamente as plantas medicinais’ aos usuários da UBS.

“A ideia é aproveitar o momento em que eles esperam ser atendidos para que participem das oficinas”, explica a coordenadora do curso, professora doutora Juliana Mendonça.

O objetivo é esclarecer quanto ao uso racional de plantas medicinais. Segundo a coordenadora, aquelas plantas que vendem nos mercados municipais, por exemplo, não são fitoterápicas.

“O fitoterápico precisa ter uma configuração de medicamento, ser desenvolvido em laboratório, que seria o medicamento manipulado. Esse processo de industrialização é importante porque evita contaminações, além de dosar de maneira correta a quantidade que uma pessoa pode consumir. Esse último ponto é essencial para evitar intoxicações com esses produtos, fato que constantemente acontece com plantas medicinais”, explica.

A recomendação é buscar sempre a orientação de um profissional farmacêutico. “Como todo fitoterápico deve ter sua ação comprovada por meio de estudos farmacológicos e toxicológicos, para fazer uso destes medicamentos é importante que não seja por meio da automedicação”, reforça Juliana Mendonça.

Esta iniciativa faz parte das atividades das disciplinas de Práticas de Farmácia e do Estágio de Fitoterapia, sob a supervisão das farmacêuticas e professoras doutoras Adriana Karla, Cinthia Meireles e Ingrid Borges.

Plantas medicinais: riscos no consumo

Os riscos de contaminação e intoxicação estão justamente no consumo das ervas, desde o cultivo ou na forma seca. É preciso entender os principais princípios ativos que cada planta possui antes de fazer uso, pois pode reagir com alguma predisposição a doença que o usuário tenha e talvez nem saiba.

Não é porque é ‘natural’ que fará bem. “Ali estão concentrados os princípios ativos funcionantes. Por exemplo, caso uma mulher grávida consuma uma dessas plantas sem saber que é do tipo teratogênica, pode causar risco ao desenvolvimento do feto. Ou se uma pessoa hipertensa que faz uso controlado de anti-hipertensivo resolve tomar chá emagrecedor, tipo chá-verde, pode haver interação e causar aumento da pressão arterial”, afirma a professora doutora Juliana Mendonça.

Recentemente, Juliana ajudou a desvendar uma situação que poderia ser apenas hipotética. “Uma pessoa estava com sangramentos e não estancava. Como tinha risco de trombose, fez uso de anticoagulante. O médico diminuía a dose do anticoagulante, mas o sangramento não parava. Ao investigar, identifiquei que ela estava fazendo uso diário de Erva de Bruxa há 30 dias para evitar inflamação da garganta, mas sem saber que possuía princípios altamente hemorrágicos. Com a orientação para suspender o uso, sete dias após, já não apresentava mais o quadro hemorrágico”, relata.

Oficinas na UBS

Para os usuários da UBS 17 de Março, até novembro, ainda deverão acontecer as oficinas: “Preparações caseiras de plantas medicinais” e “Riscos do uso incorreto de plantas medicinais”.

As oficinas que os alunos realizarão para os funcionários desta UBS, sob a supervisão de professores, trabalharão assuntos como: as ações farmacológicas, interações medicamentosas e contraindicações de plantas medicinais para o sistema respiratório e sistema cardiovascular.

Compartilhe: