V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Alunos do Pronatec recebem prêmio

A Gincana Tecnológica ganhou na categoria ‘Destaques da Educação de Sergipe’ do prêmio EDUCAR-SE

às 21h02
No final de 2016, as turmas do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego – Pronatec – da Universidade Tiradentes realizaram a Gincana Tecnológica – Gintec – de conhecimentos relacionados aos cursos técnicos da área de Informática e, pela relevância social, ganharam na categoria ‘Destaques da Educação de Sergipe’ do prêmio EDUCAR-SE.
Alunos realizam atividades relacionadas à informática no LICRE
Alunos realizam atividades relacionadas à informática no LICRE
Grupo se apresenta no Santa Zita (Fotos: Arquivo pessoal)
Idosos do Asilo Rio Branco jogam com alunos
Parte das doações arrecadadas para a Gintec
Compartilhe:

Cada turma ficou responsável por realizar atividades lúdicas com pessoas assistidas de organizações sem fins lucrativos de Aracaju, arrecadar roupas para doação e reformar os setores de informática das instituições.

Assim, pela atitude socialmente relevante, o prêmio EDUCAR-SE, promovido anualmente pelo produtor cultural sergipano Jorge Lins, reconheceu o evento pelo trabalho realizado em instituições carentes, no último dia 27 de dezembro. Casa Santa Zita, Oratório de Bebé, Almir do Picolé, Apae, CRAS Madre Tereza de Calcutá, Lar Infantil Cristo Redentor, Asilo Rio Branco, Lar da Zizi e Same foram as entidades beneficiadas pela gincana.

“Algumas turmas ficaram de voltar às instituições, pois os alunos se envolveram tanto que se apegaram. Ainda no final do ano passado, uma turma do curso de Jogos visitou o CRAS Madre Teresa de Calcutá e fez uma celebração do Natal para os assistidos”, conta o assessor pedagógico do Pronatec Cleverton Lima.

Tudo aconteceu graças ao professor Alan Franklin, por ter acreditado na relevância do projeto inscrevendo a Gintec para concorrer ao prêmio. “Fiquei sabendo dessa premiação e enviei o projeto da gincana, e tivemos a surpresa porque adoraram! É gratificante termos recebido o prêmio porque foi um trabalho que a gente fez com muito empenho. Uma atividade diferente com os alunos, mais lúdica e que acrescenta ao curso. Queríamos algo que fosse complementar aos conhecimentos da sala de aula. Queríamos ir além do cunho social com as instituições e parece que conseguimos”, explica o professor.

 

Compartilhe: