V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Como a depressão pode afetar crianças e adolescentes?

Os sintomas da depressão nos mais jovens podem se manifestar de formas diferentes, a docente em Psicologia da Unit explica

às 19h41
Doutora e professora de Psicologia da Universidade Tiradentes, Tatiana de Carvalho Socorro
Doutora e professora de Psicologia da Universidade Tiradentes, Tatiana de Carvalho Socorro
Compartilhe:

De acordo com pesquisa recente da FioCruz, a depressão se torna está se tornando mais frequente em crianças e adolescentes. Atualmente, a doença afeta cerca de 2% das crianças e 5% dos adolescentes do mundo. Além disso, outros estudos recentes relacionam a depressão na vida adulta com fatores de risco na gestação e na primeira infância. O tema foi abordado no novo documento científico produzido pelo Departamento Científico de Desenvolvimento e Comportamento da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

Segundo a doutora e professora de Psicologia da Universidade Tiradentes, Tatiana de Carvalho Socorro, a depressão está se tornando cada vez mais recorrente neste grupo etário, principalmente após a pandemia. “Mesmo com o fator biológico, causado por um desequilíbrio na neuroquímica do cérebro, o fator cultural também pode estar relacionado. Vivenciamos um cenário de muitas exigências sociais onde somos cobrados para termos relacionamentos perfeitos, sucesso profissional e beleza dentro do padrão, onde as redes sociais aumentam essa cobrança com os outros e com nós mesmos”.

Em geral, o diagnóstico da doença segue os critérios descritos no Manual Diagnóstico e Estatístico dos Transtornos Mentais (DSM–V), mas vale destacar que estes foram delineados para a depressão na população adulta e que os sinais e sintomas podem ser diferentes na infância e adolescência. Diagnosticar depressão acaba se tornando mais difícil nas crianças, pois os sintomas podem ser confundidos com malcriação, pirraça ou birra, mau humor, tristeza e agressividade.

Tatiana explica que é necessário que a família e as pessoas mais próximas fiquem atentas aos sinais. “ Se por exemplo a criança ou jovem aumentou muito o apetite ou o reduziu bastante. Se  perceber que o filho dorme muito ou se ele está tendo insônia. Saber se ele se isola dos colegas na escola ou na faculdade, se está faltando muita aula também. Tudo isso podem ser sinais de que algo errado está acontecendo, por isso, recomendo que entre em contato com colegas e professores e investigue a interação dos filhos com o meio em que eles vivem, inclusive com a própria família”.

Tatiana também recomenda que seja procurado apoio psicológico caso algum dos sintomas seja identificado e que é necessário sempre buscar um conjunto de coisas e situações que tragam felicidade, bem estar e autocuidado para esse paciente. Já em relação ao preconceito de muitas pessoas com a doença, a psicóloga reitera que ninguém escolhe ter depressão. “Ninguém escolhe ficar desanimado, apático e isolando as pessoas. Por isso, o acolhimento, o diálogo, a compreensão, a empatia e se colocar no lugar do outro é essencial para a pessoa se sentir compreendida e não se sentir julgada”.

 

Leia mais:

A importância da Psicologia Positiva na vida dos estudantes

Compartilhe: