V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Covid19: reações adversas à vacina são comuns na terceira dose

Independente da dose, o imunizante pode gerar efeitos colaterais leves, assim como outras vacinas e medicamentos.

às 14h46
A professora do curso de Medicina, Julianne Machado.
A professora do curso de Medicina, Julianne Machado.
Imagem: Freepik
Compartilhe:

Desde que a terceira dose do imunizante contra a covid19 foi aprovada pelo Ministério da Saúde, em novembro de 2021, mais de 50 mil brasileiros já se vacinaram. No entanto, o número representa apenas 24,5% da população. O principal motivo para a falta de procura é o medo das reações adversas, que podem ocorrer em qualquer uma das doses.

Pesquisas científicas e especialistas alertam para a importância de completar o quadro vacinal e mesmo que surjam efeitos colaterais, não é preciso ter medo. Geralmente, as reações são moderadas e leves, como febre, dor no local da aplicação, prostração, dor de cabeça e no corpo.

Segundo a professora do curso de Medicina da Universidade Tiradentes (Unit), Julianne Machado, não é só o imunizante contra a covid19 que gera efeitos colaterais. “Na verdade, qualquer vacina assim como qualquer medicamento pode provocar reações adversas em algumas pessoas. Independente de quantas doses de reforço serão necessárias, esse risco permanece”, disse.

Como alguns dos efeitos adversos são parecidos com os sintomas gripais, muita gente corre para realizar um teste, mas a professora explica que a vacina não implica em resultado positivo para covid19. “A vacina não justifica um teste positivo. Caso isso ocorra, é porque houve a contaminação do paciente independente da vacina”, enfatizou ela.

“Sempre lembrando que a vacina reduz risco de evolução para casos graves, mas não impede contaminação”, reforçou a professora.

Cuidados

Mesmo com o avanço da vacinação contra a covid19, todos os cuidados já conhecidos devem ser mantidos. “Continuamos com máscara, limpeza frequente das mãos, distanciamento social e caso haja contaminação, isolamento e cuidados com os sintomas que surgirem. Sempre em caso de dúvida procurar um médico de confiança”, salientou Julianne.

 

Leia também: Gripe H3N2: O que sabemos sobre a doença

Compartilhe: