V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Dermatoglifia será tema de palestra em Aracaju

Método de análise de impressões digitais possibilita a detecção de indivíduos com tendência a desenvolver habilidades físicas ou patologias

às 13h45
Um método que busca estudar impressões digitais como marca de desenvolvimento fetal e colabora, por meio de ferramentas para análises de padrões, para a relação de capacidades biofísicas, além de doenças e síndromes específicas. A Dermatoglifia, cientificamente conhecida, será um dos temas debatidos no 3° Congresso Internacional de Atividade Física, Nutrição e Saúde – Ciafis.
A inscrição já garante o acesso a um minicurso e a todas as palestras durante a semana do congresso. Basta acessar www.unit.br/ciafis e garantir vaga
A inscrição já garante o acesso a um minicurso e a todas as palestras durante a semana do congresso. Basta acessar www.unit.br/ciafis e garantir vaga
Compartilhe:

“No período entre o terceiro e o sexto mês de gestação são desenvolvidas as impressões digitais concomitantemente ao desenvolvimento do sistema nervoso central possuindo uma relação existente entre a herança genética e o ambiente intrauterino proporcionado pela mãe. Os padrões dermatoglíficos não se alteram com o passar dos anos o que possibilita uma única coleta por indivíduo para análise”, declara o doutor em Ciências da Saúde, professor Rudy José Nodari Júnior.

A Dermatoglifia, por meio do Leitor Dermatoglífico®, identifica as figuras presentes, núcleos, deltas e linhas da impressão digital. “O processo informatizado para leitura constitui-se de um leitor ou scanner óptico de rolamento, que coleta e interpreta a imagem e constrói, em código binário, um desenho, que é capturado por software específico de tratamento e reconstrução de imagens reais e binarizadas em preto e branco”, explica Nodari.

Após este estágio e interferência do avaliador, o software gera uma planilha dos dados processados. “A dermatoglifia encontra no leitor um caminho fidedigno como ferramenta quantificadora e qualificadora da análise de padrões e de sua correlação, permitindo uma evolução tecnológica de co­leta, processamento, armazenagem e tratamento matemático”, observa doutor Nodari.

Essa técnica está sendo apresentada em universidades e congressos do mundo todo. Foi utilizada para o estudo das impressões digitais nas Olímpiadas do Brasil, em que participaram trinta e quatro equipes esportivas da Espanha, cinco da Itália, cinco da Bélgica e três de Portugal”, pontua.

Durante a realização do 3° Congresso Internacional de Atividade Física, Nutrição e Saúde – Ciafis – em Aracaju, Nodari apresentará conceitos e evolução da Dermatoglifia, métodos de coleta e análise, pesquisas científicas, prescrição de exercícios e orientação de talentos desportivos, aplicação prática dos métodos de coleta e utilização para academias e centros de treinamento, entre outros assuntos. O evento acontece de 19 a 22 de setembro no Campus Aracaju Farolândia da Universidade Tiradentes.

 

Currículo

Rudy Nodari é pós-doutor pelas Universidades de Las Palmas de Gran Canaria e Católica de Murcia, na Espanha, mestre e doutor em Ciências da Saúde. Graduado em Educação Física é especialista em Fisiologia do Exercício, Ciências do Movimento Humano e Atividade Física na Promoção da Saúde. Além de docente no Brasil, Nodari é contratado por universidades internacionais, secretário-geral da Rede Euroamericana da Motricidade Humana, diretor científico da Salus Dermatoglifia e, Luzerna/SC, consultor científico da Società Internazionale di Dermatoglifia, na Itália.

Compartilhe: