V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Estudantes participam de conferência sobre intercâmbio

Ministrado pelo diretor-executivo da Fulbright Brasil, Alexandre Prestes, palestra pontua sobre as possibilidades de intercâmbio

às 17h21
Compartilhe:
Dezenas de acadêmicos receberam orientações sobre programas de intercâmbio

Dezenas de acadêmicos receberam orientações sobre programas de intercâmbio

Visando a uma oportunidade de intercâmbio em instituições de ensino superior em outros países, dezenas de acadêmicos participaram nesta sexta-feira, 14 de junho, da conferência ‘Ciência sem Fronteiras e Inglês sem Fronteiras’ ministrada pelo diretor dos Programas da Fulbright Brasil, professor Alexandre Prestes. Na ocasião, o docente conversou com os estudantes sobre as oportunidades e possibilidades de se ter uma educação internacional.

“A Fulbright é uma comissão binacional, Brasil/Estados Unidos, fundada em 1957 e que sempre apoiou o intercâmbio entre brasileiros e americanos em vários níveis, principalmente mestrado e doutorado. Hoje estamos muito voltados para as prioridades do governo brasileiro e para divulgação de programas mundiais do governo norte-americano. O importante desta conferência é esclarecer um pouco para os alunos os mitos que existem em relação a estudar em outro País, ao participar de um programa nos Estados Unidos e as dificuldades em termos de Línguas”, explica Alexandre Prestes.

Considerada uma das bolsas mais prestigiadas do mundo, a Fulbright já rendeu a mais de 120 ex-bolsistas prêmios Nobel e Pulitzer. Segundo Prestes, cerca de 250 bolsas de intercâmbio são ofertadas pela Fulbright anualmente. “Acredito que o estudante brasileiro sempre teve vontade de participar de um intercâmbio, mas tinha medo. Agora existe um programa com uma estrutura tão complexa e que apoia de maneira tão integral o bolsista que é realmente uma oportunidade imperdível para os estudantes”, enfatiza ele ao lembrar do programa do Governo Federal Ciência sem Fronteiras.

Acadêmica do 5º período de Ciências Biológicas, Daniela Nascimento deseja complementar sua graduação em outro País e ficou entusiasmada com as possibilidades oferecidas nos programas de intercâmbio. “Existem muitos países que possuem vaga para atuação em minha área e quero saber mais como é o processo para participar do intercâmbio”, afirma a estudante.

Alexandre Prestes: "Agora existe um programa com uma estrutura tão complexa e que apoia de maneira tão integral o bolsista que é realmente uma oportunidade imperdível para os estudantes”

Alexandre Prestes: “Agora existe um programa com uma estrutura tão complexa e que apoia de maneira tão integral o bolsista que é realmente uma oportunidade imperdível para os estudantes”

Kaique Dantas e Luan Vittor compartilham da mesma ideia de Daniela. Estudantes do primeiro período de Engenharia de Petróleo, eles resolveram participar da conferência para esclarecer algumas dúvidas sobre a experiência no exterior. “Tenho muita vontade de fazer um intercâmbio, principalmente, para nosso curso que está bem globalizado. Quero tirar minhas dúvidas em relação aos pré-requisitos necessários para pleitear uma bolsa e saber qual o nível do idioma exigido. Inclusive estou matriculado no Unit Idiomas para aperfeiçoar meu Inglês”, completa Luan.

Para o coordenador de Relações Internacionais da Universidade Tiradentes, professor Matheus Batalha Nery, a conferência é uma ótima oportunidade para os estudantes se familiarizarem com os programas de intercâmbio. “Esta conferência significa mais informação para os alunos. O Ciência sem Fronteiras acabou de lançar chamada para vários países e o diretor dos Programas da Fulbright está ajudando em um deles, os Estados Unidos. Trata-se de uma oportunidade ímpar, que teremos a informação de quem está gerenciando a chamada naquele País”, salienta o coordenador.

Clique aqui para mais informações sobre bolsas para intercâmbio.

Fotos: Marcelo Freitas

Compartilhe: