V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Fisiculturismo: preparação exige muita disciplina e dedicação

O dia 30 de outubro celebra o Dia do Fisiculturista. Esforço e resiliência fazem parte do dia a dia dos atletas.

às 17h57
Imagem: Freepik
Imagem: Freepik
Compartilhe:

Muito mais do que um esporte, para quem pratica, o fisiculturismo é considerado uma arte. Com muita disciplina e dedicação, a preparação de um fisiculturista exige muita força de vontade, já que passa a maior parte do dia com treinamentos e dieta específica.

“Eles são conhecidos por terem atitudes rígidas em relação à seleção de alimentos, frequência das refeições, horários de nutrição e suplementação. No fisiculturismo competitivo, os atletas são julgados pelo tamanho do músculo, ausência de gordura corporal e simetria (proporção muscular)”, comenta a professora do curso de Educação Física da Universidade Tiradentes (Unit), Thaysa Nery.

Segundo estudos, para atingir o físico ideal, os atletas realizam regimes de perda de gordura, enquanto tentam manter a massa corporal magra acumulada antes do período de perda de gordura. Eles passam por três fases distintas: ganho muscular, dieta para competição e a prova em si.

“A maior parte da literatura envolve a fase de dieta e esse processo de preparação envolve duas fases, o bulking, que seria uma fase de aumento de volume que visa maximizar o crescimento muscular por meio de um excedente de calorias, e o cutting, que pode variar de 8 a 16 semanas antes da competição, que tem como objetivo a perda de gordura, preservando o máximo de músculo possível, mantendo um déficit calórico”, explica a docente. “A fase de bulking pode chegar a durar muitos meses e, geralmente, usa um plano alimentar bem rígido para manter os músculos num estado constante de anabolismo”, acrescenta.

Segundo a especialista, há uma escassez de pesquisas aplicadas em fisiculturistas de alto nível. “Embora existam recomendações gerais sobre os nutrientes e prescrição de exercícios, essas recomendações são teóricas, imprecisas e passíveis de interpretação”, enfatiza.

Thaysa Nery destaca ainda a prática da arte de forma mais plena e saudável. “Apesar de tanta dedicação e resiliência apresentada por praticantes de fisiculturismo, muito desse esforço, por vezes, é confundido com o uso de substâncias proibidas. Devemos entender que é possível desenvolver músculos em nível competitivo de forma natural, ou seja, sem uso de drogas como esteroides anabolizantes”, finaliza.

Como forma de homenagear o atleta, o dia 30 de outubro ficou marcado no Brasil como o Dia do Fisiculturista.

Leia também: A versatilidade e a importância do profissional de Educação Física

Compartilhe: