V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Lixeira automatizada de separação de resíduos

Protótipo reflete preocupação ambiental e conhecimentos técnicos dos alunos do curso de Engenharia Mecatrônica.

às 21h42
Alunos do curso de Engenharia Mecatrônica da Universidade Tiradentes – Unit – desenvolveram uma lixeira automatizada de separação de resíduos como produto final da disciplina de Práticas Integradoras IV. De tão inovadora, apresentaram sua funcionalidade, inclusive, para a imprensa sergipana na última quarta-feira, 30.
Lixeira automatizada
Lixeira automatizada
Professor Igor Libertador (à direita) e alunos
Compartilhe:

De acordo com o professor Igor Libertador, a sociedade pouco se engaja com o correto descarte de resíduos. “Existe aquele problema de faltar lixeiras de descarte apropriado para cada tipo de material reciclável ou orgânico. A partir disso, os alunos tiveram essa preocupação e foram além: por que não o próprio produto separar o lixo? Eles utilizaram os conhecimentos de mecatrônica com uso de sensores que identificam o tipo de material e, assim, a lixeira abre a comporta de acordo com o material que está sendo descartado e o lixo é separado, contribuindo para a reciclagem”, explica.

O professor avisa que ainda se trata de um protótipo. “Há muita coisa a ser trabalhada no que diz respeito à programação mais apurada. Precisamos também do apoio de outras disciplinas para melhorar o projeto. Mas só a intenção de quererem trabalhar com isso é extremamente proveitoso. O maior resultado desse projeto não é nem a lixeira, mas o que os alunos conseguiram absorver de todo esse processo”, assegura.

Lucas Santana, aluno, conta como funciona a lixeira assim que um material for descartado nela. “Existe um sensor indutivo para detectar o metal, um capacitativo para identificar o que for de plástico e papel e o detector de presença para saber se tem algum objeto na lixeira que não sejam desses grupos que vai atuar por exclusão, direcionando para o espaço de lixo orgânico”, detalha.

A preocupação ambiental do produto é algo que o aluno Daniel Brito ressalta. “Todo engenheiro que tem se formado de uns tempos pra cá, tem apresentado essa conduta consciente em relação ao meio ambiente, contribuindo para construir mais coisa com menos material justamente para ajudar a conservar o planeta. Por mais que a lixeira tenha sido um protótipo, esperamos que seja financiado para ser colocado em prática, pois conseguimos comprovar que é utilizável”.

 

 

Compartilhe: