V E S T I B U L A R UNIT
MENU

O mochileiro que se fixou em Propriá

O baiano andarilho que escolheu começar sua caminhada conhecendo a região do Baixo São Francisco gostou tanto de Propriá que resolveu fixar residência e cursar Direito.

às 18h32
Identificado com a localidade, estudante de Direito reinicia sua atividade acadêmica no Campus Propriá, onde colegas e amigos o conhecem por ser comunicativo, acolhedor e extremamente amigável
Enderson de Jesus Sampaio
Enderson de Jesus Sampaio
Compartilhe:

Sua história é curiosa quando narrada da forma como todos o conhecem: expansivo, brincalhão e sempre de bem com a vida. Assim é como se apresenta Enderson de Jesus Sampaio. Natural da cidade de Mundo Novo, saiu da região que ele chama de centro-norte baiano motivado pela nota do Prouni e pelo desejo que sempre teve de desbravar lugares. Desejo esse adquirido no tempo em que jogava futebol amador na posição de zagueiro e encontrava sempre a oportunidade de fazer algumas viagens.

“Tranquei o curso de Direito que fazia lá e disse ‘Vou conhecer o mundo’”, revela ele com seu jeito expansivo, sem esquecer de registar que sua decisão já está prestes a comemorar cinco anos e que o curso será concluído no próximo período.

Sua estada em Propriá se deu por pura casualidade. Não a conhecia, mas, interessado em desbravar a história dos habitantes do baixo São Francisco, começou a pesquisar até, que desembarcou na rodoviária do município de onde não mais saiu.

“Quando conheci a história de Propriá vi que se trata de uma cidade muito rica e que já proporcionou à sua população diversas oportunidades. Isso me atraiu bastante, além da convivência com os moradores” acrescenta Enderson.

A relação que o acadêmico estabelece com os colegas no contexto universitário tem uma representatividade bastante significativa, uma vez que ele leva em consideração os aspectos culturais dos dois estados. “Vejo o sotaque como um cartão de visita e o regionalismo com suas particularidades, ao mesmo tempo em que identificam características próprias, interligam culturas”, reconhece ele convicto de que permanecerá em Propriá, onde pretende advogar na área trabalhista e prestar concursos, quando surgirem as oportunidades.

Compartilhe: