V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Unit desperta a vocação científica em estudantes de graduação

Mais de 370 acadêmicos foram aprovados no processo seletivo do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica e de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação

às 12h04
Compartilhe:

O primeiro contato com a pesquisa. Para muitos jovens, a iniciação científica representa o primeiro passo para um grande sonho: tornar-se pesquisador. Pensando nisso, a Universidade Tiradentes realiza anualmente a seleção para o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica e em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Na última sexta-feira, dia 9, a Unit realizou a primeira reunião com os aprovados do último edital.

O programa, desenvolvido pela Pró-reitoria de Pós-graduação, pesquisa e extensão da instituição de ensino, visa despertar a vocação científica e incentivar talentos potenciais entre os acadêmicos. Para esta edição, mais de 370 acadêmicos tiveram seus projetos de pesquisa selecionados.

“Esta será uma experiência muito importante porque é o primeiro momento que vocês vão ter contato com a ciência e com o fazer científico, aprender a questionar e buscar os caminhos para responder os seus questionamentos. Vão aprender e despertar uma algo que chamamos de autonomia científica que nada mais é do que aprender os caminhos do método científico”, comenta o professor doutor Diego Menezes, pró-reitor de Pós-graduação, pesquisa e extensão da Unit.

“Nós fazemos ciência porque temos o livre arbítrio de questionar, de perguntar se aquele conhecimento gerado é verídico.  A ciência tem um papel de gerar o novo, trazer novidades ou estudar algo antigo com um novo olhar. Quando olhamos para cada um de vocês, a gente se renova porque estamos vendo os futuros atores dessa sustentação da geração do conhecimento. Em cada uma de vocês existe o potencial de ser e fazer o novo acontecer”, acrescenta o pró-reitor.

De acordo com o edital são disponibilizadas bolsas em diversas áreas de conhecimento nas seguintes modalidades: Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) e em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (PIBITI) e Programas Institucionais, como PROBIC/Unit, PROBITI/Unit. Caso o projeto de pesquisa não seja contemplado com bolsa, ele pode ser inserido na modalidade de Iniciação Científica Voluntária, o PROVIC/Unit.  

“O aluno que se debruça para a Iniciação Científica adquire um diferencial na sua formação como as habilidades de comunicação, redação e leitura, com uma preparação maior para seguir a carreira acadêmica, seja para concorrer a alguma residência, mestrado ou doutorado. Além disso, o acadêmico passa a desenvolver metodologias de pesquisa, diferentes técnicas e novas aprendizagens fora da sala-de-aula ”, enfatiza a professora doutora Adriana Karla de Lima, coordenadora de Pesquisa.

João Victor Melquiades é estudantes do curso de Engenharia Mecatrônica e pela segunda vez foi contemplado pelo PIBIC. “Costumo dizer aos meus colegas que a iniciação científica forma você para vida e faz com que você se transforme em um grande profissional. Dentro do viés científico você obrigatoriamente tem que ir em busca, aprender a se desenvolver é uma competência que o cientista tem que ter. Você vai aprender a pensar de forma crítica, ser proativo e trabalhar no método científico”, declara.

Compartilhe: