V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Aleitamento materno: mães compartilham experiências com estudantes

Durante talk show, mães contam suas histórias envolvendo amamentação para estudantes de enfermagem e medicina.

às 11h43
Da esquerda para a direita: a aluna Bruna dos Santos, as professoras Márcia Karina e Izailza Matos e a estudante Mariana Alencastro.
Compartilhe:

A Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde preconizam a necessidade de conscientizar a população, especialmente as mulheres, sobre a importância do aleitamento materno. Por isso, o curso de Enfermagem da Universidade Tiradentes (Unit) apoia ações de incentivo e promove atividades de extensão para os estudantes da graduação, como o seminário de encerramento do Agosto Dourado e o talk show sobre o tema, na última terça-feira, 30, no campus Farolândia.

De acordo com a professora Márcia Karina Lima Dantas, responsável pela ação, o intuito foi envolver tanto profissionais da Saúde, futuros enfermeiros e médicos, quanto sociedade. “Nós abordamos o pré-natal, a Hora de Ouro e a amamentação legal. Também trouxemos mães para contar um pouquinho de suas experiências, das dificuldades, quais as vantagens da amamentação… mães que amamentaram e amamentam até hoje”, diz.

Uma dessas mães foi Chirley Reis. Apesar de ser enfermeira, ela conta que precisou de ajuda para amamentar. “Eu tenho uma filha de dois anos que ainda mama. Consegui amamentá-la de forma exclusiva até os seis meses. Eu passei por muita dificuldade. Rachaduras, peito ferido, hiperlactação (aumento da produção de leite) e início de mastite. O prazer da amamentação eu só tive depois de dois meses. O fato de eu saber que o leite materno é o melhor alimento do mundo me fez persistir e eu não me arrependo. Por isso, meu propósito é ajudar outras mães que têm essas mesmas dificuldades”, conta.

“Eu tive ajuda de uma profissional conselheira em amamentação e também tive ajuda da minha rede de apoio, que é muito importante. Sozinha a gente pode até chegar, mas com ajuda a gente chega mais rápido. Mesmo sendo enfermeira, quando a gente se torna mãe a gente deixa de ser profissional, a gente não enxerga, a gente precisa de outra pessoa. Os hormônios do pós-parto deixam a cabeça da gente muito bagunçada. Por isso, é muito importante ter a ajuda de um profissional”, enfatiza Chirley.

Como futura profissional, a estudante do 5º período de enfermagem, Bruna dos Santos Ribeiro, acredita que esses momentos são importantes para a formação. “Eventos como esse são extremamente ricos para nós que vamos estar inseridos nas unidades de saúde. Nós da enfermagem temos uma função direta nessa parte de educação e saúde. Então, são nesses momentos que desenvolvemos essas habilidades que são aprimoradas quando formos para campo depois de formados”, afirma.

Para a estudante do 7º período de medicina, Mariana Alencastro, a conscientização sobre o aleitamento materno também é essencial para a sua área. “Principalmente porque a gente vai se formar com médico geral. Então, a gente precisa de uma ideia geral de muitas áreas como gravidez e puerpério, que são coisas que a gente vê muito, principalmente em UBS. A amamentação é diferente de mulher para mulher, então a gente vai aprender mais a como lidar com cada uma, indo ou não para a área da pediatria”, aponta.

Hora de Ouro

A Hora de Ouro é o momento em que o bebê é colocado em contato pele a pele com a mãe, logo após o nascimento. “Esse primeiro contato do bebê com a mãe é muito importante porque facilita a descida do leite e cria o vínculo de afeto com a mãe”, explica a professora Márcia. Além disso, ajuda o bebê na transição do útero para o mundo.

O ideal é colocar o recém-nascido na altura do abdômen ou mais próximo do peito da mãe. Assim, o bebê sente o cheiro, o calor e os batimentos cardíacos da mãe, ajudando na liberação de hormônios, diminuindo riscos de hipotermia e favorecendo a colonização por meio da microbiota materna.

A Hora de Ouro pode ser feita independente do tipo de parto. No entanto, não é recomendada caso o bebê esteja com dificuldade respiratória ou apresente alguma outra alteração clínica que exija cuidados imediatos. Prematuros que estejam clinicamente bem, também estão liberados para a Hora de Ouro. 

Agosto Dourado

O mês de agosto é marcado por ações de incentivo ao aleitamento materno. O termo ‘dourado’ faz alusão à relevância nutricional do leite materno. Em cerca de 120 países é comemorada a Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM) com a finalidade de esclarecer a importância do aleitamento materno na redução da mortalidade e adoecimento das crianças em todo o mundo. Esse ano o tema escolhido foi ‘fortalecer o aleitamento materno, educando e apoiando’.

 

Leia também: Intolerância alimentar: professora da Unit explica como proceder

Compartilhe: