V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Bioeconomia é tema de 21° edição de Semana de Pesquisa

Durante abertura do evento, o professor e reitor da Instituição, Jouberto Uchôa, ressaltou que a pesquisa é um dos pilares da Instituição

às 21h01
Compartilhe:

Com programação até sexta-feira (08), a 21°Semana de Pesquisa da Unit discute bioeconomia e transformação social na Universidade Tiradentes com acadêmicos, pesquisadores e professores. Durante abertura do evento, o professor e reitor da Instituição, Jouberto Uchôa, ressaltou que a pesquisa é um dos pilares da Instituição, destacou a entrega do Innovation Center, o centro de estudos em Boston e lembrou que a Unit é nota máxima no MEC.

“Esse é um evento que está no calendário da universidade e engradece professores alunos e instituição. Temos o maior orgulho de nos aperfeiçoar a cada ano e a universidade tem uma preocupação grande com a pesquisa, a exemplo da inauguração do Innovation Center, e o Sempesq vem casar com essa iniciativa. Espero, cada dia mais, que a gente melhore para formar alunos ainda mais qualificados”, declarou o reitor.

Superintendente acadêmico, Temisson José ratificou o discurso do reitor e acrescentou que a Semana de Pesquisa é um momento de divulgação de trabalhos e da contribuição dos pesquisadores e dos acadêmicos à sociedade. “A pesquisa é um dos pilares da universidade. Um ponto interessante é a consolidação desse evento, que está em 21° edição, o que significa que são 21 anos de uma instituição que investe em pesquisa e conhecimento. Este é um momento de prestação de contas do aluno, do professor pesquisador e da Instituição, os quais mostram o quanto ela contribui com pesquisa”, disse.

Sobre as contribuições da pesquisa e da iniciação científica, Diego Silva Menezes, presidente do ITP e Pró-Reitor de pós-graduação, pesquisa e extensão, pontuou que, atualmente, a Unit possui 116 patentes, a exemplo do medicamento para pessoas com problemas crônicos de saúde, como AVC e a produção de biocombustível a partir do resíduo de coco. Ele também destacou o prêmio conquistado pelo trabalho que utiliza resíduos de casca de sururu na produção de tijolos.

“O que vou falar aqui é produto da visão do reitor, que aposta na geração da ciência e na produção de conhecimento. Temos programas consolidados, cursos com nota 5 junto ao MEC. Atraímos e ajudamos a formar profissionais capacitados”.

Allanna Oliveira cursa o oitavo período de Enfermagem e participa pela segunda vez da Sempesq. “A Semana de Pesquisa nos dá oportunidade de interagir com diversos trabalhos e me motiva a pesquisar e a buscar mais conhecimento”.

Já Natali de Oliveira Guedes, também aluna de Enfermagem, disse que se inscreveu porque encontrou trabalhos e cursos que abordam temas que ela pretende se especializar depois de formada. “A Sempesq nos ajuda a aprimorar conhecimentos e temos contato com diversas áreas. Neste ano, tem um curso sobre hemorragias pediátricas que trabalha uma área que quero me especializar, que é a pediatria”.

Programação

A Sempesq se subdivide em diferentes fóruns de discussão. A programação inclui Seminário de Iniciação Científica, Seminário de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação envolvendo discentes bolsistas CNPq, FAPITEC/SE e Unit/SE, Seminários Integrados dos Programas de Pós-Graduação, Seminário de Práticas Investigativas e Temas Livres, Minicursos, Feira Científica e o Workshop em ApreStartups.

Compartilhe: