V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Cesta básica: levantamento aponta aumento em todas as capitais

Em 2021, o valor da cesta básica aumentou nas 17 capitais onde o DIEESE realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos.

às 13h41
Imagem: Freepik
Imagem: Freepik
Compartilhe:

Quem costuma ir ao supermercado para fazer compras deve ter desembolsado um valor extra na hora de abastecer a despensa de casa no ano passado. Isso porque um levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos – DIEESE – apontou um aumento nas 17 capitais onde realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos (PNCBA).    

As altas mais expressivas, quando se compara dezembro de 2020 com o mesmo mês de 2021, foram registradas em Curitiba (16,30%), Natal (15,42%), Recife (13,42%), Florianópolis (12,02%) e Campo Grande (11,26%). As menores taxas acumuladas foram as de Brasília (5,03%), Aracaju (5,49%) e Goiânia (5,93%). Com os dados, a capital sergipana encerrou o ano de 2021 com a segunda menor alta do país.

A pesquisa realizada pelo DIEESE é um levantamento contínuo dos preços de um conjunto de produtos alimentícios considerados essenciais. Os itens básicos pesquisados foram definidos pelo Decreto Lei nº 399, de 30 de abril de 1938, que regulamentou o salário mínimo no Brasil e está vigente até os dias atuais.

Recentemente, o Procon de Aracaju divulgou uma pesquisa de preço de produtos da cesta básica e apresentou valores de 50 produtos distintos comercializados em pelo menos 10 mercados. O levantamento apontou, entre os produtos pesquisados, que o valor do feijão carioca na cidade ficou entre R$ 5,69 e R$ 6,90. O arroz parboilizado apresentou preços que vão de R$ 2,95 a R$ 5,10. Já o cuscuz flocão, o menor valor identificado foi de R$ 1,29 enquanto o maior alcançou os R$ 4,19. Entre os itens da categoria dos produtos de limpeza, o sabão em pó vendido na cidade está entre R$ 1,29 e R$ 4,79, e a água sanitária está sendo encontrada com valores entre R$ 1,39 e R $ 1,95.  

Com informações do DIEESE e g1 Sergipe. 

Veja também: Qual a previsão para a economia em 2022? 

 

Compartilhe: