V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Chip da beleza: dispositivo pode causar graves efeitos colaterais

Sendo usado sem restrição, o implante hormonal chamado de Chip da beleza é criticado por especialistas e pode trazer prejuízos para a saúde

às 12h17
Imagem: Freepik
Imagem: Freepik
Compartilhe:

Com nome chamativo e atraente, o ‘Chip da Beleza’ está fazendo cada vez mais sucesso e se disseminando pelo país. O dispositivo de três centímetros, introduzido sob a pele, libera um hormônio sintético, a gestrinona, que tem ação anabolizante. Ele costuma ser indicado em situações específicas, como a endometriose ou transtorno do desejo sexual hipoativo (DSH), quando há queda na libido. 

A promessa daqueles que aplicam é interromper a menstruação, acabar com mal-estar da TPM, aumentar a libido e melhorar a disposição. No entanto, esse dispositivo foi desenvolvido para atuar no tratamento da endometriose, uma vez que é capaz de aliviar os sintomas e promover a interrupção do ciclo menstrual. Especialistas alertam que o uso desse implante hormonal não deve ser apenas para fins estéticos, sendo importante considerar os outros efeitos no organismo.

Entidades médicas como Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já fizeram diversos alertas sobre os implantes de hormônios. Sem sucesso para brecar a utilização desenfreada desse produto, a Sbem protocolou um pedido formal para que a Anvisa endurece as regras de venda da substância e divulgou uma nota na qual contraindica a utilização desse recurso para qualquer tipo de finalidade, seja estética ou terapêutica.

Entre os os efeitos colaterais, especialistas explicam que o ‘Chip da Beleza’ pode causar acne, queda de cabelos e calvície, voz grossa, abcessos, um clitóris aumentado em até quatro vezes, infertilidade, alterações preocupantes nas glândulas mamárias, doença cardiovascular e danos ao fígado que podem levar à morte. Além disso, usar o Chip apenas para fins estéticos sem levar em consideração o seu efeito contraceptivo pode causar resistência à insulina, tendência para engordar e dificuldade para emagrecer, especialmente depois de 1 ano de uso desse tipo de implante.

Leia Mais: Padrões e pressão estética: o que a pandemia ensinou sobre desconstrução?

Compartilhe: