V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Dia Nacional em Defesa do Rio São Francisco é celebrado hoje

A data é um momento de refletir sobre os problemas enfrentados pelo rio que é responsável por 70% do abastecimento em Sergipe

às 16h21
A professora do PPSA, Maria Nogueira Marques
A professora do PPSA, Maria Nogueira Marques
Compartilhe:

Hoje, 3 de junho, é celebrado o Dia Nacional em Defesa do Rio São Francisco, momento de refletir sobre os problemas enfrentados pelo rio que atende cerca de 18 milhões de brasileiros.  Em Sergipe são 36 municípios que recebem água do Velho Chico, sendo ele, o responsável por 70% do abastecimento de água em Sergipe, segundo a Companhia de Saneamento Básico de Sergipe (DESO). 

Com 2.830 km de extensão, o Rio São Francisco nasce na Serra da Canastra em Minas Gerais e deságua entre os estados de Sergipe e Alagoas. “Acredito que uma bacia hidrográfica desta dimensão e importância, deve ter várias ações para a sua preservação”, afirma a professora do Programa de Pós-graduação em Saúde e Ambiente da Universidade Tiradentes (Unit) e pesquisadora do Instituto de Tecnologia e Pesquisa, Maria Nogueira Marques.

A docente destaca dois projetos que visam a preservação e revitalização do Velho Chico. “O primeiro é a campanha ‘Eu viro carranca para defender o Velho Chico’, promovida pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco há nove anos, cujo objetivo é chamar a atenção para os sérios problemas enfrentados pelo Rio. Outro projeto, importante, é a expedição do Baixo São Francisco que foi criada com o objetivo de fazer um diagnóstico dos problemas da bacia na região do Baixo”, afirma.

Outra estratégia para ampliar a preservação é a realização de ações educativas nas universidades. “Tais ações levam a uma conscientização da população da necessidade de se preservar os corpos hídricos e também promovem mudanças de hábitos em prol de um consumo e uso consciente da água no nosso cotidiano. A preservação e a revitalização do rio asseguram água de qualidade e em quantidade para a população e a biodiversidade dependente do manancial que está recebendo estas ações”, destaca a pesquisadora do ITP.

Pesquisas científicas

A Unit, por meio do Programa de Pós-graduação em Saúde e Ambiente, desenvolve pesquisas com a finalidade de criar indicadores e produzir dados que possam ser utilizados pelas instituições nas políticas de preservação.

“As pesquisas desenvolvidas na Universidade Tiradentes têm como objetivo estudar os impactos ambientais no rio São Francisco, e fornecer subsídios técnicos e científicos ao comitê da bacia hidrográfica do rio São Francisco e os órgãos gestores para a elaboração de campanhas e políticas públicas de preservação”, conclui Maria Nogueira Marques.

A seguir, confira os títulos de alguns trabalhos iniciação científica, dissertações e teses: 

Iniciação científica: 

Título: OCORRÊNCIA DE DESREGULADORES ENDÓCRINOS NO ESTUÁRIO DO RIO SÃO FRANCISCO
Aluna: Pamela Cunha Bortoluzzi (PIBIC/CNPq)
Orientação: Maria Nogueira Marques.

Dissertação:

Título: IMPORTÂNCIA ECOLÓGICA DAS ABELHAS: PERCEPÇÃO DE ESTUDANTES DE ESCOLAS RURAIS DO BAIXO SÃO FRANCISCO SERGIPANO
Aluno: FELIPE MENDES FONTES
Orientadoras: Drª. ANDRESSA SALES COELHO e Drª. MARIA NOGUEIRA MARQUES.

Teses:

Título: ESTUDO INTEGRADO DA POLUIÇÃO POR PLÁSTICOS NO ESTUÁRIO DO RIO SÃO FRANCISCO
Aluna: ISABELLA FERREIRA NASCIMENTO MAYNARD
Orientadoras: Dra. Maria Nogueira Marques, e Dra. Veronica de Lourdes Sierpe Jeraldo.

Título: FAUNA PARASITÁRIA DE TUCUNARÉ (Cichla sp.) COMO INDICADOR AMBIENTAL NO BAIXO RIO SÃO FRANCISCO, SERGIPE, BRASIL
Aluna: JEISIKAILANY SANTOS PEIXOTO OLIVEIRA
Orientadores: Dr. Rubens Riscala Madi e Dra. Maria Nogueira Marques

 

Leia também:

Pesquisadores do PSA publicam livro nos EUA

Compartilhe: