V E S T I B U L A R UNIT
MENU

É normal não ter o que falar no processo da evolução da terapia?

De acordo com a psicóloga Tatiana Socorro, sim, é normal, e há vários motivos para que isso ocorra, mas é importante não desistir da terapia.  

às 21h01
Compartilhe:

Pandemia, distanciamento, medo, expectativa pela vacina, cuidados. A dificuldade de viver em um cenário pandêmico exige um esforço, nunca imaginado, para manter a saúde mental. Pouco mais de um ano convivendo com situações conflitantes, levou muita gente aos consultórios em busca de terapia.

Falar ao terapeuta sobre o que se sente pode fluir normalmente, mas há situações em que faltam palavras. E agora? É normal não ter o que falar no processo da evolução da terapia?

De acordo com a Doutora em Psicologia, Tatiana de Carvalho Socorro, é normal pensar que não tem o que falar e há vários motivos para que isso ocorra, entre eles, personalidade introspectiva, proteção emocional, o fato de nunca ter feito psicoterapia e a falta de vínculo com o profissional.  A psicoterapeuta ressalta que essa situação não significa que seja hora de suspender as sessões.

“Deve-se ir para a consulta mesmo apresentando essa dificuldade, pois o psicólogo é dotado de conhecimento científico, bem como de métodos, técnicas e instrumentos que possibilitam que o paciente supere essa barreira. É comum encontrar resistência na evolução do processo psicoterapêutico. Para evitar que isso leve a pessoa a desistir da psicoterapia, é importante ser transparente com o psicólogo e relatar sobre essa dificuldade”.

A professora do curso de Psicologia da Unit salienta ainda que para que o processo psicoterapêutico seja bem-sucedido é imprescindível uma parceria entre psicólogo e paciente. Um registro diário de suas emoções, identificando-as e mencionando os acontecimentos e pessoas relacionadas às emoções desencadeadas no cotidiano pode ajudar no desenvolvimento dessa relação e evitar a falta de conexão.

“Além de responder às tarefas de casa recomendadas ao paciente, é importante que durante a semana ele registre informações que ele considera importantes. Recomenda-se que estas informações sejam levadas para a psicoterapia. Outra orientação que pode contribuir para o sucesso da psicoterapia é registrar também os aspectos importantes da consulta, tais como as verbalizações do psicoterapeuta, bem como os insights do paciente decorrentes da consulta”, conclui.

 

Leia mais:

Clínica de Psicologia da Unit tem 100% de aprovação entre os usuários

Compartilhe: