V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Estudante de Iniciação Científica é premiada com o Prêmio Carlos Ayres Britto

Ana Maria Menezes é acadêmica do curso de Direito e participa atualmente de uma pesquisa internacional.

às 10h50
Compartilhe:

A acadêmica do curso de Direito da Universidade Tiradentes (Unit) do Campus Propriá, Ana Maria Menezes, ingressou na graduação já com a decisão de se dedicar ao campo da pesquisa.

“Vi na Iniciação Científica (IC) uma oportunidade ímpar de desenvolver meu senso crítico, profissional e ético, assim como aumentar a evidenciação científica e favorecer, por meio das pesquisas, o que de melhor a prática jurídica pudesse oferecer”, comenta. 

“A IC, sendo a primeira experiência do aluno com o ambiente científico, foi de suma importância para meus primeiros passos como pesquisadora”, acrescenta.

Para a estudante, a IC é um indispensável instrumento de apoio metodológico para o desenvolvimento dos projetos de pesquisa e atua como facilitadora para o crescimento no ambiente acadêmico.

“Inicialmente, aprendi o básico para a confecção de trabalhos acadêmicos, como montagem, organização, edição e estruturação. Aprendi, ainda, como sistematizar as ideias das teses e pesquisas realizadas, qual a melhor maneira de apresentá-las, como defendê-las em eventos. Foi uma experiência nova, de dedicação e oportunidades, onde minha visão no campo social foi ampliada”, enfatiza.

Segundo Ana Maria, a Unit exerceu um papel fundamental em sua trajetória. “A universidade deve ser um ambiente que favoreça o estímulo e incentivo à pesquisa. Foi dessa maneira que a instituição assumiu, em minha carreira, um papel muito relevante, pois nunca me faltou o apoio necessário, tanto institucional como também dos professores, que fomentaram em mim esse espírito inquieto e transformador que me levou a me aventurar nessa área do Direito, à qual tanto me conecto”, destaca. 

Entre os projetos de Iniciação Científica desenvolvidos pela acadêmica está o de Mineração em terras indígenas e o direito à consulta prévia na Bolívia, Brasil e Equador, sob orientação de Fran Espinoza e Douglas Diniz.

“Esse projeto introduz a metodologia qualitativa com o instrumento comparativo que, por meio da subjetividade, viabiliza a busca de um parâmetro dos ordenamentos jurídicos dos três países latino-americanos, em uma análise relativa das condições legislativas, sociais, políticas e econômicas que influenciaram e determinaram o normativo adotado em cada um dos países”, explica a acadêmica. 

Além da IC, Ana Maria também teve aprovado e publicado, nos anais do evento da 22º Sempesq e 14ª Semex, o resumo intitulado Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS): racismo e cotas raciais no Brasil. A acadêmica também teve publicado o artigo Ressocialização no sistema penitenciário brasileiro, juntamente com João Victor Pereira de Oliveira e Julyana Pereira Batista. Ambos projetos sob a orientação do professor Fran Espinoza.   

A estudante também foi agraciada com o 2º Prêmio Carlos Ayres Britto. “Sinto-me imensamente honrada, pois essa premiação traz o reconhecimento da vida acadêmica do aluno, ao mesmo que estimula os discentes do Campus Propriá a participarem de pesquisa”, garante.

“Ao terminar a graduação, pretendo dar continuidade aos estudos, ampliando o conhecimento através do ingresso em um curso de mestrado mais voltado para a área jurídica, inclusive anseio por um tema que possa vir a ser meu projeto para o mestrado”, finaliza.

Confira também: “Descobri que queria ser pesquisadora na primeira semana de aula”, diz estudante

 

Compartilhe: