V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Estudo mostra diferença no nível de leitura entre jovens de alta e baixa renda

A disparidade no nível de leitura é maior e mais acentuada no Brasil do que em grande parte do mundo, aponta relatório da OCDE

às 22h52
A habilidade de leitura é definida pela OCDE como a
A habilidade de leitura é definida pela OCDE como a "capacidade de entender, usar e refletir sobre textos escritos” (Unsplash)
Compartilhe:

A posição socioeconômica influencia e muito sobre questões que envolvem o aprendizado dos jovens, entre as quais, o nível de leitura. Segundo um estudo realizado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a disparidade entre estudantes de alta e baixa renda é alarmante nesse quesito no Brasil.

O relatório intitulado Education at Glance, divulgado pela OCDE, aponta que essa diferença afeta, inclusive, as possibilidades de desenvolvimento profissional desses jovens no futuro. Essa desigualdade é mais acentuada no país do que em grande parte do mundo, tendo como referência um exame internacional aplicado a jovens de 15 anos que vivem em 38 países membros da organização, além do Brasil, Argentina, China, Indonésia, Índia, África do Sul e Arábia Saudita.

“A leitura é fundamental no processo de aprendizagem e desenvolvimento humano. É através dela que apuramos nossa percepção, melhoramos nossa comunicação, senso crítico, entre tantas outras coisas essenciais para o nosso futuro enquanto cidadãos e profissionais em um mercado de trabalho cada dia mais competitivo”, destacou o professor Anderson Teixeira de Souza, docente do curso de Pedagogia EAD, da Universidade Tiradentes (Unit EaD).

A habilidade de leitura é definida pela OCDE como a “capacidade de entender, usar e refletir sobre textos escritos de modo a conquistar objetivos, desenvolver conhecimento e potencial e participar da sociedade”. No Brasil, segundo o relatório, a proporção de jovens da camada mais pobre que conseguiram alcançar o nível 2 em leitura no exame internacional foi 55% menor do que a de jovens brasileiros de renda mais alta.

“Estudos como esse mostram o quanto temos que melhorar a educação básica no país, pois somente desta forma é que elevaremos os índices de desenvolvimento social. A leitura é apenas um item, entre tantos outros, que colaboram para que jovens e adultos possam se desenvolver pessoal e profissionalmente. Neste sentido, é imprescindível que a leitura faça parte da nossa rotina diária”, enfatizou o professor. 

Asscom | Grupo Tiradentes

Compartilhe: