V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Liberação miofascial: conheça a terapia manual que previne lesões

Além de prevenir lesões, a liberação miofascial alivia dores musculares. Apesar de ser uma terapia leve, pode não ser indicada para todas as pessoas.

às 11h45
Imagem: Freepik
Imagem: Freepik
Compartilhe:

A liberação miofascial é uma terapia manual que previne lesões e alivia dores musculares. O método é utilizado na fisioterapia com aparelhos específicos ou somente com as mãos, pressionando pontos específicos do corpo a fim de liberar o tecido fibroso que reveste os músculos, chamado fáscia. Além de aliviar dores e tensões, a liberação miofascial melhora a disposição e agilidade, e o rendimento em séries intensas de exercícios.

Quando uma lesão ou dor muscular acontece é porque, geralmente, ocorreu alguma disfunção e/ou sobrecarga na camada miofascial do corpo, fazendo com que ela se torne mais espessa, rígida e aderida aos músculos. O tecido miofascial ou fáscia é o conjunto de tecidos, nervos e vasos sanguíneos que envolvem cada músculo. Ele é feito de elastina e colágeno e, por isso, facilita o deslizamento dos músculos entre si.

Qualquer alteração no deslizamento entre a fáscia e o músculo desencadeia quadros inflamatórios com dores e restrição de movimentos. Diversos fatores contribuem para a formação de nódulos miofasciais que causam lesões musculares: dor de cabeça, estresse, dor muscular crônica, má circulação, problemas emocionais, mobilidade comprometida e maus hábitos de postura.

A restauração dos grupos musculares acontece conforme a massagem é aplicada. A cada movimento, a textura da fáscia é alterada, devolvendo a força e a elasticidade aos músculos.

Apesar de ser uma terapia manual leve, pode não ser indicada para indivíduos com problemas circulatórios, hipersensibilidade à dor, lesões musculares diagnosticadas, usuários de medicamentos anticoagulantes, tenha hematomas ou esteja no primeiro trimestre de gravidez. Por isso, é importante procurar um fisioterapeuta antes de prosseguir com qualquer tratamento.

 

*com informações de Uol, Instituto Reaction, One Fisioterapia & Recovery e Edson Santiago Fisioterapia  

 

Leia também: Fisioterapia: como os exercícios terapêuticos podem ser utilizados

Compartilhe: