V E S T I B U L A R UNIT
MENU

O papel da Fisioterapia nas disfunções do assoalho pélvico

Modalidade terapêutica auxilia na prevenção e tratamento de dores e outros sintomas que afetam a região da pélvis, conhecida também como quadril ou bacia

às 20h59
O papel da Fisioterapia pélvica no tratamento da endometriose ainda é pouco conhecido pela população, mas os seus benefícios podem ser essenciais (Unsplash)
O papel da Fisioterapia pélvica no tratamento da endometriose ainda é pouco conhecido pela população, mas os seus benefícios podem ser essenciais (Unsplash)
Compartilhe:

A Fisioterapia é uma modalidade terapêutica de prevenção ou tratamento de diferentes doenças de origens diversas, desde as genéticas até as adquiridas por traumas. O profissional oferece aos indivíduos a oportunidade de usufruírem melhor qualidade de vida, a partir da adequação da funcionalidade corporal às suas necessidades cotidianas.

Em cada fase da vida, é preciso atingir a sua plenitude funcional, porém isso nem sempre é possível. O fisioterapeuta auxilia as pessoas nesses momentos disfuncionais, juntamente com uma equipe multidisciplinar, sendo facilitadores da jornada individual de cada paciente.

A fisioterapia cada vez mais avança em novas áreas de atuação. Uma dessas áreas é a da Fisioterapia Pélvica, voltada à prevenção e tratamento de transtornos funcionais das regiões abdominal, pélvica e lombar. No Brasil, também pode receber outras denominações, como fisioterapia ginecológica, fisioterapia na saúde da mulher, fisioterapia para reabilitação do assoalho pélvico ou fisioterapia perineal. Independentemente do nome, o objetivo será o mesmo: tratar as disfunções desta região do corpo humano.

A técnica é empregada para aliviar dores e sintomas de problemas uterinos como a endometriose, por exemplo, mas também pode auxiliar os homens, que possuem o períneo. Ele é formado por treze pares de músculos localizados em sua maioria na porção inferior e interna da pélvis óssea, a parte do corpo conhecida como quadril ou bacia.

Esse conjunto, também chamado de músculos do assoalho pélvico, tem como função sustentar os órgãos e todo o conteúdo abdominal e pélvico e conservar as suas funções fisiológicas.

Especialidade reconhecida

A Fisioterapia pélvica é uma especialidade reconhecida pelo Conselho Federal de Fisioterapia como uma atividade própria e exclusiva do profissional fisioterapeuta. É recomendada por sociedades médicas como tratamento para várias disfunções do assoalho pélvico. De caráter não invasivo, tem apresentado bons resultados no alívio de dores e outros sintomas. 

É uma técnica específica que integra o trabalho da pélvis e da musculatura perineal com o trabalho dos demais segmentos corporais. O fisioterapeuta especialista em saúde pélvica desempenha um papel fundamental, podendo atuar desde o momento inicial do diagnóstico como membro de equipe multidisciplinar.

Além de auxiliar no alívio da dor, o profissional especializado utiliza recursos específicos para promover a correção postural, melhora da respiração, a recuperação funcional comprometida por uma patologia e na retomada da qualidade de vida. O envolvimento e a adesão das pacientes, aprendendo e realizando os exercícios propostos, são aspectos fundamentais do tratamento.

Histórico da prática

A prática regular de exercícios para os músculos perineais se popularizou e passou a ser recomendada no Ocidente por volta da década de 1940, sob a orientação do médico ginecologista americano Arnold Kegel (1894-1981). Os benefícios destes exercícios, no entanto, já eram conhecidos desde a década de 1920.

A partir dos anos 1980, os estudos relacionados são recuperados e os exercícios perineais foram retomados, inicialmente em países europeus. Atualmente, a área vivencia um salto no estudo e na aplicação dessas técnicas, sendo uma área promissora na pesquisa e como área de especialização.

Asscom | Grupo Tiradentes 

Compartilhe: