V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Pix: Entenda a mudança na modalidade de transferência bancária

Economista e professor da Unit, Josenito Oliveira, explica o motivo das mudanças e os benefícios da transferência via Pix

às 18h28
Compartilhe:

Valendo a partir do começo de outubro o sistema de transferência bancária conhecido como Pix passou por mudanças que visam aumentar a segurança do sistema após relatos de golpes e outros crimes envolvendo a modalidade de pagamentos. Entre as medidas estão o limite de R$ 1.000,00 para transações no horário noturno, prazo para efetivar o aumento do número de transações e cadastro de contas que poderão receber Pix de maior valor.

Quem explica é o economista e professor do curso de Administração da Universidade Tiradentes, Josenito Oliveira. Dentre os principais impactos dessa mudança, além do teto menor para transações durante a noite e cadastramento prévio, os usuários terão um novo prazo mínimo, de até 24h para realização do cadastro de contas em canais digitais. Também durante o período noturno, os usuários poderão ter operações retidas por 30 minutos durante o dia ou uma hora durante à noite para que seja feita uma análise de risco. 

Para Josenito, os maiores benefícios da nova modalidade estão ligados a sua rápida funcionalidade. “Não tem custo para pessoas físicas, conclui a transmissão do dinheiro em poucos segundos, funciona 24 horas por dia em todos os dias do ano, pode ser usado para pagar diversos tipos de débitos e facilita as transações com a diminuição das informações passadas anteriormente”, disse. 

Do outro lado da moeda, os malefícios são poucos. O Pix não permite fazer transações parceladas e não deixa que o valor seja estornado. Além disso, é necessária a conexão com a internet para que a modalidade seja utilizada. Segundo Josenito as mudanças atuais visam a segurança “Essas medidas todas vão diminuir as fraudes, vão proteger os clientes e os usuários de serviços de pagamentos e vão desincentivar os crimes. É um esforço conjunto do Banco Central, das autoridades policiais e das instituições financeiras, de pagamentos, cooperativas e participantes que oferecem esses serviços de pagamentos”.

Leia Mais:
Terapia financeira visa transformar nossa relação com as finanças pessoais
Saiba como empreender com pouco dinheiro

Compartilhe: