V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Residência médica: 83 recém-formados da Unit são aprovados

Universidade tem 70% de recém-formados da segunda turma aprovados em residências médicas pelo País

às 10h48
Para se passar em residência médica há uma lenda de que os recém-formados em Medicina precisam, necessariamente, custear um cursinho preparatório. Além de pesar no orçamento, muitas vezes implica ainda em desgaste físico e psicológico. Mas a egressa da Universidade Tiradentes – Unit – Rachel Choucair fez diferente: apostou em si, aproveitou o embalo da graduação e estudou sozinha. Das seis vagas disponíveis para a especialidade de sua escolha, Pediatria, a médica passou em terceiro lugar.
Egressa da Universidade Tiradentes, a médica Rachel Choucair
Egressa da Universidade Tiradentes, a médica Rachel Choucair
coordenador do curso de Medicina da Unit, Richard Haiti
A médica e ex-aluna da Unit, Adriana Dantas Lopes
Compartilhe:

Ela faz parte de um total de 83 aprovações, o que representa 70% de aprovados em residência médica oriundos da Unit. “Não foi fácil. Quando eu via os colegas resolvendo as questões e apostilas depois de terem ido para aquelas aulas de cursinhos e ganhando mil dicas de como resolver as questões, eu achava que realmente a concorrência ia ser difícil e eu não seria capaz de passar. Só que eu consegui mesmo, fui aprovada!”, comemora.

Rachel Choucair atribui a vitória ao conhecimento e experiência que viveu sendo aluna da segunda turma de Medicina da Universidade Tiradentes – Unit. Reconhecido pelo Ministério da Educação com conceito 4,3 na escala de 1 a 5, o mais alto em Sergipe e uma referência de qualidade no Brasil, o curso foi pioneiro no estado na utilização do método de Aprendizagem Baseada em Problemas – PBL –, modelo pedagógico desenvolvido no Canadá e aplicado nas maiores universidades do mundo.

“Eu não tive condição financeira para fazer nenhum curso e estudei sozinha para residência médica. Vejo que é criado um imaginário de que a pessoa só passa se fizer algo extra, só que o curso da Unit, por ter a metodologia PBL, te coloca para estudar, preparar e buscar soluções sem auxílio de ninguém e isso que me ajudou muito. O curso de Medicina da Unit prepara a gente. Montei minha própria organização, de acordo com o que eu ia vendo no internato da Unit nos dois últimos anos de curso, na parte prática, e me dediquei”, explica.

Mas até chegar à residência médica, Rachel precisou fazer outros cursos para retomar ao seu objetivo de vida. “Por questões familiares e financeiras, cheguei a cursar Psicologia por um ano na Unit, mas meu pai ficou desempregado na época e precisei trancar. Daí, fiz curso técnico no Instituto Federal de Sergipe, me formei, fui trabalhar e vi que eu tinha que dar um jeito de voltar ao meu sonho que sempre foi Medicina. Consegui uma bolsa em um cursinho, estudei dois anos e passei na Unit; consegui o Fies, e hoje estou aqui”, relembra.

Experiência

Sua colega Adriana Dantas Lopes teve um percurso diferente, pois pode pagar um cursinho para tentar a residência médica em outros estados. “Fiz ‘MedCurso’, diferente de Rachel, o que complementou muito o que a Unit ofereceu para a gente durante toda a graduação. Ao longo dos últimos dois anos, estudando muito, consegui passar com resultados bons em lugares como Minas Gerais, Bahia e Sergipe, no HUSE e HU”, conta Adriana.

Para ela, a Unit proporcionou uma formação diferenciada. “Oferece-nos uma estrutura única, com metodologia inovadora, tenta nos mostrar tudo o que o estado pode oferecer para a nossa profissão e isso prepara bem o profissional para a residência. O PBL estimula a nossa busca e procura pelo conhecimento incessante. Se eu não tivesse tido o PBL, não teria cursado Medicina, porque desde o primeiro semestre tivemos a prática e isso foi o divisor de águas para mim. Fico muito feliz por ter escolhido a Unit para cursar Medicina. Profissionais da área sempre comentam que saímos bem preparados. Eu e minha família temos uma confiança muito grande na Unit”, pontua Adriana.

Residência médica

Para o coordenador do curso de Medicina da Unit, Richard Haiti, a residência médica é uma atividade que considera fundamental na formação do médico. “Quanto mais tempo vivenciar como médico, sendo responsável pelo tratamento das pessoas, de forma supervisionada com um professor, já médico experiente, certamente o recém-formado vai aprender mais e se qualificará”, acredita Richard.

O coordenador acredita que os resultados evidenciam mais que o bom preparo da graduação, mas dos próprios alunos. “Porque sabemos que as provas de residência médica são bem concorridas e levam em consideração os assuntos de graduação. E mais do que mostrar a boa formação que nossos alunos tiveram na Unit, os resultados expõem, ainda, a qualidade deles. O sucesso depende de ambos: não só da qualidade da instituição, mas também a dos alunos. Se não forem estudiosos e inteligentes, não adianta ter uma instituição excepcional e o aluno não estar à altura. A gente fica honrado pela qualidade dos alunos que escolheram a Unit para fazer a faculdade de Medicina”, afirma Richard Haiti.

Agora na residência médica, Rachel se diz otimista até 2019, quando finalizará a especialização. “Saímos do curso com muita base teórica, mas quando chegamos aqui, de fato, na vida prática e precisamos assumir a responsabilidade e tomar decisões percebemos que esse preparo é o que faltava, que só a experiência traz. A residência é importante por termos o treinamento específico do que escolhemos praticar. Aqui eu não sou mais aluna. Sou médica que assina o que faz, com o professor, claro, orientando, mas já assumo responsabilidades”, explica.

Compartilhe: