V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Seguro-desemprego: redução de 3,6% nas solicitações em setembro

Economista e professor da Unit explica a redução e fala das perspectivas para os próximos meses

às 11h30
O economista e professor da Universidade Tiradentes (Unit), Josenito Oliveira.
O economista e professor da Universidade Tiradentes (Unit), Josenito Oliveira.
Compartilhe:

O Boletim Sergipe Econômico divulgou que o número de trabalhadores que solicitaram o seguro-desemprego diminuiu. Na segunda quinzena de setembro de 2021, 1.546 trabalhadores solicitaram o seguro-desemprego. Somado ao número da primeira quinzena, o total foi de 2.926 requerimentos no mês. Comparado com setembro de 2020, houve uma queda de 3,6% nas solicitações e redução de 2%, em relação a agosto de 2021.

Para o economista e professor da Universidade Tiradentes (Unit), Josenito Oliveira, os números representam melhoria. “Se esse número está caindo, significa que mais pessoas estão empregadas ou, então, o mercado está absorvendo. Desde maio que começa essa recuperação do emprego. Em março e abril, tivemos saldo negativo de desempregados em Sergipe e em maio, junho, julho e agosto, tivemos saldo positivo”, esclareceu.

Com o avanço da vacinação contra a covid-19 e a retomada da normalidade na prestação de serviços como bares, restaurantes e eventos, um dos setores mais atingidos pela pandemia, a perspectiva é de que a economia melhore. Também há expectativa quanto às festividades de final de ano para contratações temporárias e, consequentemente, efetivações.

Mapa da fome

Quando se fala sobre desemprego, outro assunto vem à tona: a fome. A estimativa é de que cerca de 20 milhões de brasileiros passam fome no país. “É necessário que o Governo Federal reveja a sua política, que hoje privilegia os grandes investidores e o agronegócio, exportando nossa comida e deixando nosso povo com fome. A população está com a renda comprometida. Então, é necessária a retomada desses empregos para que as pessoas tenham dignidade e renda, e que isso volte a movimentar a economia”, disse o economista.

 

Leia também: Valorização de carros seminovos teve alta de 20% em 2021

 

Conheça nosso curso de Ciências Contábeis

Compartilhe: