V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Seminário de Experiência Extensionista: estudantes apresentam projetos

No segundo semestre, participam do Seminário 220 equipes, envolvendo cerca de 2 mil alunos de escolas e entidades de Aracaju, Itabaiana, Estância e Propriá.

às 21h05
Seminário de Experiência Extensionista
Compartilhe:

Para aprimorar e qualificar as práticas extensionistas, cerca de dois mil alunos da graduação da Universidade Tiradentes (Unit) participam de seminários de experiências extensionistas junto aos professores preceptores do Núcleo Interdisciplinar de Extensão (NIEX). A intenção é elaborar projetos que serão executados nas comunidades de baixa renda. As apresentações realizadas na última segunda-feira, 17, pelos alunos da disciplina Prática Extensionista I fecharam as atividades da primeira unidade do semestre 2022.2. 

A partir de um convênio com a Diretoria Estadual de Educação de Aracaju (DEA), serão atendidas 14 escolas da rede pública, além de Unidades Básicas de Saúde (UBS), asilos, ONGs e associação de moradores de Sergipe. Cerca de dois mil alunos dos campi de Aracaju, Estância, Itabaiana e Propriá realizarão atividades extensionistas nas comunidades carentes.   

A coordenadora do Núcleo, professora doutora Adriana Karla de Lima, explica que o NIEX foi criado para coordenar as ações vinculadas à curricularização da extensão, que faz parte do projeto que viabiliza a extensão universitária dentro das grades curriculares da Universidade Tiradentes. 

“Os alunos desde o primeiro dia que se encontram com os professores e preceptores eles montam um projeto de intervenção na comunidade. Trabalhando com conceitos de extensão, comunidade, ética e sustentabilidade. A partir de visitas e conversas nas escolas e comunidades eles aprimoram os projetos para atender as necessidades daquele local. Para suprir as deficiências que a escola, comunidade ou unidade de saúde apresentam”, conta. 

Seminário de Experiência Extensionista

Alunos matriculados nas Práticas Extensionistas I, II e III desenvolvem propostas, através de uma pré-intervenção para avaliação e posteriormente, após a aprovação dos professores e preceptores, conseguem aplicar os planos elaborados na prática. 

De acordo com o professor preceptor, Felipe Carvalho, o grupo de alunos destes cursos seleciona alguns membros que vão junto com o professor visitar as escolas para entender quais são as dinâmicas e, assim, desenvolver projetos que atendam às necessidades deles. 

“Durante a primeira unidade, após uma visita de diagnóstico social, os alunos elaboraram projetos que contemplem as necessidades apresentadas pelos professores e coordenadores das escolas e comunidade. Eles apresentaram o fechamento desses projetos para que os professores possam implementar as intervenções e na segunda unidade seja os projetos possam ser executados nesses locais”, explica o preceptor.

Este grupo em específico, que envolve alunos dos cursos de Direito, Odontologia e Psicologia,  está trabalhando com o projeto ‘Respeito os meus sinais’, que procura conscientizar as crianças, os adolescentes, a escola, professores, os pais e a comunidade da Escola Petrônio Portela, no bairro Farolândia, em Aracaju (SE), sobre abuso sexual. “Os alunos dos cursos de Odontologia e Psicologia também estão presentes para trocarmos experiências, mostrar os direitos das crianças e adolescentes, cuidar da saúde bucal e prevenção de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST)”, comenta o aluno do curso de Direito, Gabriel Santana dos Anjos.

Já a estudante do curso de Psicologia, Rita Rodrigues, conta que, neste projeto, os futuros psicólogos atuarão no apoio à saúde mental e emocional. “A nossa preocupação é com a saúde mental, psicológica e emocional de pessoas que sofreram algum tipo de abuso. Durante nossos estudos percebemos  que muitas crianças e adolescentes levam o trauma pra vida adulta devido a ausência de proteção durante essa fase da vida. Elas perdem a referência de segurança e com isso surgem os traumas. Então, nosso objetivo é acolher essas vítimas  e trabalhar na redução de casos de abuso”, salienta.

“Sabemos que a ansiedade é muito corriqueira e atinge as mais variadas faixas etárias, e nos jovens não é diferente. É por isso que nós estamos visitando a comunidade no bairro Farolândia pra tentar ajudar esses jovens a lidar com transtornos de ansiedade através de um círculo de sensibilização em parceria com a turma de Psicologia. Além de trabalhar na conscientização e prevenção de ISTs”, completa a estudante de odontologia, Mariana Guimarães.

As apresentações dos seminários de experiência extensionistas ocorrem até esta sexta-feira, 21. Após esta programação que contempla o período de ajustes, os alunos iniciarão a prática das atividades nas comunidades. No final do semestre, os resultados serão apresentados. 

 

Leia mais: Experiências extensionistas engajam mais de 800 estudantes em 2022.1

Compartilhe: