V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Unit celebra convênio com Isam


às 23h19
Momento da assinatura
Momento da assinatura
O presidente do Isam, João Aberto Santos de Oliveira, ao centro
Compartilhe:
Momento da assinatura

Momento da assinatura

Com a finalidade de desenvolver novas perspectivas para o processo de ensino/aprendizagem e proporcionar aos acadêmicos do curso de Direito uma melhor integração entre os conhecimentos teóricos adquiridos e a prática profissional, a Universidade Tiradentes (Unit), através do Núcleo de Práticas Jurídicas (NPJ) e o Instituto Sergipano de Arbitragem e Mediação (Isam), celebram convênio para realização de estágio.

A celebração desse convênio permite a Unit suprir uma exigência do Ministério da Educação (MEC) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que obrigam que na parte de práticas processuais se tenha de forma efetiva os institutos jurídicos da mediação, conciliação e arbitragem para área do direito. O estágio pode ser pleiteado pelos alunos que estão entre o 7º e 10º período do curso.

O presidente do Isam, João Aberto Santos de Oliveira, ao centro

O presidente do Isam, João Aberto Santos de Oliveira, ao centro

Através desse convênio, os alunos do NPJ poderão acompanhar processos extrajudiciais e conferir toda a dinâmica de trabalho do Isam. Com isso será possível ofertar aos alunos um campo de trabalho mais ampliado com profissionais que já tem mais vivência prática com o mercado de trabalho. “A estrutura própria do Isam e a grande demanda de processos abrem um novo campo de aprendizagem para os nossos acadêmicos”, afirma o coordenador do curso de Direito, professor Eduardo Macedo.

A parceria com o Instituto iniciou de maneira informal no ano de 2013, com a realização da Semana de Mediação. Os alunos do Núcleo de Práticas Jurídicas e do Isam montaram uma grande estrutura no Campus Aracaju Centro da Unit, para promover a conciliação e negociação de dívidas entre os clientes do Banese e Banesecard. “São meios extrajudiciais que desafogam um pouco o Poder Judiciário, deixando-o mais focado em áreas como a criminal, que são mais representativas”, diz Macedo.

Texto – Diogo Oliveira

Fotos – Marcelo Freitas

Compartilhe: