V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Universidade Tiradentes ampliará atendimento de fisioterapia com novo laboratório

Curso de Fisioterapia da Universidade Tiradentes amplia os serviços ofertados à comunidade com a inauguração do novo laboratório de eletroterapia

às 00h54
Compartilhe:

O curso de Fisioterapia da Universidade Tiradentes amplia os serviços ofertados à comunidade com a inauguração do novo laboratório de eletroterapia no Bloco C do campus Farolândia. A solenidade ocorreu nesta quinta-feira (26) e reuniu alunos e professores.

Com o novo espaço, as aulas práticas que eram ministradas somente no Centro de Educação e Saúde da Unit, antigo Ninota Garcia, no bairro Industrial, passam a ser ofertadas também na Farolândia. A expectativa da coordenação do Curso é que o laboratório passe a atender o público em breve.

“Hoje é um dia de festa porque esse laboratório de eletroterapia traz inovações e mais uma opção para que nossos alunos pratiquem o que aprendem em sala de aula. É muito importante essa conquista porque poderemos atender nos dois locais de aula prática. Temos aparelhos de estimulação elétrica que faz contração muscular, laser, alguns aparelhos de estética também. A ideia é que possamos atender o público interno e depois abrir para o externo”, afirmou a coordenadora do curso de Fisioterapia, Luciana Zago, informando que as aulas já começam imediatamente.

Marcos Vinicius é professor de Anatomia Humana II do curso e comemorou a conquista. “Essa era uma reclamação dos alunos porque eles tinham que se deslocar para o Ninota para praticar a disciplina. Incialmente, essa disciplina é entre os alunos e depois com pacientes. Para a gente, do corpo docente, é muito significante”.

Renata Araújo é aluna do 5° período de Fisioterapia e membro do Centro Acadêmico. Ela pontuou que o laboratório irá facilitar a aprendizagem dos acadêmicos que estudam à noite, que não precisarão se deslocar para o Centro da cidade. “Tínhamos um déficit muito grande desse laboratório no campus Farolândia porque só tinha no Ninota e os alunos da noite precisavam se deslocar para lá, o que dificultava muito”.

Mylena Santana, também 5° período, gostou da estrutura. “Acho legal pela facilidade de acesso e porque poderemos atender mais gente”.

Compartilhe: