V E S T I B U L A R UNIT
MENU

Como a automação e os robôs se aplicadas na Engenharia Civil

Robôs, drones e técnicas e inteligência artificial já fazem parte dos canteiros de obra e poupam operários de práticas perigosas e repetitivas

às 23h48
Compartilhe:

Vivemos tempos pós-modernos, para alguns. Controvérsias à parte, corriqueiramente vivenciamos dinâmicas tecnológicas que até bem pouco tempo eram somente imaginadas. Na construção civil, também se verifica o uso da automação e da robótica como ferramentas auxiliares em projetos de engenheiros e arquitetos. Inovações tecnológicas aplicadas nesta área são uma realidade que agrada ao mercado imobiliário e de construção, na busca por maior eficiência e produtividade. 

Elas também podem representar mais segurança e menos acidentes de trabalho, por exemplo. A automação de tarefas ou atividades pode ser usada para substituir em atividades perigosas, intensas ou repetitivas. Máquinas já são empregadas historicamente, mas robôs e equipamentos autônomos vão além daquelas que dependem do controle humano.

Automação de processos

Braços mecânicos com certa autonomia são os mecanismos mais comuns em indústrias, mas também poderão ser utilizados em canteiros de obras. Algumas ideias com este sentido já estão em desenvolvimento pelo mundo. São várias as aplicações possíveis para a automação de processos, as quais podem ser trabalhadas em paralelo a outras tecnologias.     

Outro uso mais comum das novas tecnologias na construção civil é o emprego de drones, equipamentos que possibilitam a captação de imagens aéreas de alta resolução e em larga escala. 

Robôs são programados para serem capazes de realizar cortes específicos em concretos, com estruturas curvas, com grau de precisão maior do que o humano, em menor tempo e permitindo que obras e projetos altamente complexos possam se tornar realidade.

Robôs no canteiro de obra

Um “robô-pedreiro” está disponível comercialmente para a construção de blocos de alvenaria no local da obra. Um deles é SAM 100, pedreiro semi-automatizado (semi-automated mason) que lança argamassa e assenta blocos. Ele foi desenvolvido por uma empresa norte-americana, sendo capaz de executar estes serviços três vezes mais rápido que um ser humano.

Outro modelo foi utilizado para amarrar vergalhões numa ponte em construção, ou ainda para imprimir e assentar tijolos em 3D. A indústria do setor trabalha ainda na pesquisa de outros robôs para construção de estruturas de reforço. 

Existem diversos exemplos de automação na construção civil. Robôs também estão entrando no setor como “rovers” autônomos, equipados com sensores e câmeras de alta definição que permitem que eles naveguem pelos locais. Podem ser utilizados para identificar e evitar obstáculos, inspecionar canteiros e carregar materiais para os trabalhadores.

Eficiência e economia

Em algumas atividades específicas, esses equipamentos autônomos podem ser programados para funcionar 24 horas por dia, ajudando a aumentar a eficiência e a diminuir custos. Ainda estamos no início do uso da robótica e do que ela pode contribuir com a construção civil, mas em outras indústrias já estão sendo desenvolvidos robôs que poderão vir a substituir algumas atividades e funções humanas completamente.

Entusiastas da tecnologia e da inteligência artificial defendem que isso não é motivo de medo, pois elas provavelmente também vão provocar a criação de novas funções e oportunidades de trabalho que ainda não imaginamos. Seja como for, engenheiros e arquitetos devem ficar atentos às novidades e abertos a elas, utilizando a tecnologia ao seu favor, integrando sistemas, aprimorando funções e técnicas utilizadas na construção civil.  

Asscom | Grupo Tiradentes

Compartilhe: